Boris Johnson renuncia ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Diversos nomes da equipe de Johnson deixaram os cargos em sequência após escândalo sexual em seu governo

Matt Dunham POOL AFPBoris Johson
Governo de Johnson vivia crise nos últimos dias e governabilidade tornou-se insustentável

Depois da saída de dezenas de ministros e de uma grande crise causada por um escândalo sexual em seu governo, Boris Johnson renunciou ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido. A renúncia foi confirmada na manhã desta quinta-feira, 7, quando Johnson fez um pronunciamento à imprensa britânica. Ele ficará no cargo até que um novo primeiro-ministro seja definido pelo Partido Conservador, que indicará um substituto que deverá ser aprovado pela Rainha Elizabeth. Durante seu discurso, Johnson afirmou que estava “triste em deixar o melhor trabalho do mundo”. Na terça-feira, 5, um ex-funcionário do Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido acusou a equipe de Johnson de mentir sobre um funcionário do Partido Conservador com histórico de acusações de abuso. Segundo esse ex-funcionário, Johnson sabia das acusações, mas decidiu manter a nomeação de Chris Pincher ao cargo. A repercussão foi rápida e mais de 40 membros de seu gabinete e ministros renunciaram aos cargos nos últimos dias.

Johnson foi escolhido para ocupar o cargo de primeiro-ministro em julho de 2019 e sucedeu Theresa May. Nos quase três anos no cargo, Johnson ficou marcado por algumas polêmicas. A maior aconteceu durante a pandemia de Covid-19, quando membros do Partido Conservador e o próprio primeiro-ministro foram flagrados em festas e eventos sociais enquanto as medidas de distanciamento social e de circulação estavam em vigor. O caso ficou conhecido como “Partygate”. Como consequência desta polêmica, o Partido Conservador realizou uma moção de desconfiança para retirá-lo do poder. Dos 359 parlamentares do partido, 211 votaram pela sua permanência, permitindo que Johnson seguisse no cargo. Entretanto, ele não poderia passar por outra moção nos 12 meses seguintes.





Source link