Vendas do varejo cresceram 0,6% no mês da Black Friday, diz IBGE

9


As vendas no comércio brasileiro cresceram 0,6% em novembro de 2019, na comparação com outubro, impulsionadas pelas promoções da Black Friday. Segundo a Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada nesta quarta-feira 15, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse foi o sétimo resultado positivo seguido do setor, que acumula alta de 1,7% no ano.

Entre as oito atividades pesquisadas, quatro tiveram altas, sendo que três delas foram diretamente influenciadas pela Black Friday: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,1%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,0%) e móveis e eletrodomésticos (0,5%). Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação também registraram taxa positiva em novembro (2,8%).

Por outro lado, pressionaram negativamente as vendas os segmentos de tecidos, vestuário e calçados (-0,2%) e combustíveis e lubrificantes (-0,3%), ambos devolvendo uma pequena parcela do ganho acumulado nos dois últimos meses, respectivamente, 3,4% e 2,7%. A atividade de livros, jornais, revistas e papelaria também registrou recuo nas vendas (-4,7%).

Já o setor de maior peso no varejo, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,0%), ficou estável.

Publicidade

“O crescimento de 0,6% é relevante porque manteve a taxa positiva pelo sétimo mês seguido, o que fez novembro registrar o patamar mais elevado desde dezembro de 2016. Isso mostra que o setor vem mantendo a recuperação”, disse a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.

Regionalmente, as vendas do varejo cresceram em 22 dos 27 estados em novembro do ano passado, com destaque para Roraima (9,3%), Rondônia (8,5%) e Acre (6,7%). Por outro lado, entre as cinco quedas registradas no mês, as maiores foram verificadas no Amapá e no Rio Grande do Norte, ambos com -0,7%, e Santa Catarina e Distrito Federal, os dois com -0,6%.

Varejo ampliado

Na categoria de varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, o volume de vendas recuou -0,5% em novembro, na comparação com outubro, interrompendo oito meses de crescimento contínuo, período em que acumulou ganho de 5,1%. O resultado foi puxado pelo setor de veículos, motos, partes e peças (-1,0%), enquanto material de construção apontou estabilidade (0,1%).

“O segmento de veículos não sustentou o crescimento em novembro, depois de dois meses de crescimento (3,5%). É comum essa acomodação. A atividade vem mostrando dinamismo ao longo de 2019, acumulando no ano alta de 10,1%. Foi um bom ano para o segmento”, disse Isabella Nunes.

Publicidade

 


Veja Economia

Fonte: Veja Economia