Homem que matou ex-mulher na frente da filha é condenado a 19 anos de prisão

19

O Tribunal do Júri de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, condenou Emerson Bezerra da Silva a 19 anos, 11 meses e 29 dias de prisão pela morta da ex-mulher, Daniela Eduardo Alves. O julgamento começou ontem, mas precisou se estendeu por todo o dia de sábado (25). O caso ficou famoso, em janeiro do ano passado, pelas mais de dez ligações de vizinhos que pediam ajuda para Daniela.

Emerson foi condenado pela morte de Daniela

A morte de Daniela aconteceu em 14 de janeiro de 2019. Emerson foi preso logo em seguida, na casa dos pais, no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. Na ocasião, a filha do casal, de apenas três anos, presenciou o assassinato.

O corpo de jurados considerou que o feminicídio foi cometido com meio cruel e motivo torpe.

Durante os dois dias, a família de Daniela acompanhou o julgamento. Ao fim, o pai Mauri Júnior disse que o resultado foi satisfatório. “Nada trará a Daniela de volta, mas Justiça foi feita e ele vai pagar. Foram 19 anos e questiono agora, foram 19 facadas. De verdade, espero não olhar para a cara dele nos próximos anos”, disse.

A promotora do caso, Renata de Paiva, disse que o Ministério Público do Paraná (MP-PR) ficou satisfeito com o resultado. “Desde o início da instrução processual, o MP-PR atuou com muita lisura e seriedade. Foi comprovado que o feminicídio aconteceu pelo contexto doméstico e familiar, nos moldes do Código Penal. Ele era casado com a vítima e cometeu por razões de ciúme”, explicou.

O advogado Luis Gustavo Janiszewski, que representa a defesa de Emerson, disse que vai recorrer da decisão.

Júri

O júri popular começou por volta das 9 horas de sexta-feira (24). No primeiro dia, as testemunhas de defesa foram ouvidas.

Foto: Daniela Sevieri – Banda B

Com o avançado das horas, a juíza responsável pelo caso optou por suspender o julgamento. O júri foi retomado na manhã de sábado e foi concluído por volta das 18h.

Ao longo do julgamento, o advogado de defesa Luis Gustavo Janiszewski tentou descaracterizar a acusação de femincídio, tentando fazer com que Emerson passasse a responder apenas por homicídio, que daria uma pena mais branda. “Deixamos bem claro que essa hierarquia entre eles não existia. E a delegada foi ouvida e esclareceu o que é feminicídio, que ele necessita de alguns requisitos, incluindo a condição de gênero. Desde sempre eu venho falando que essa tragédia não tem como vítima o sexo feminino e sim a vítima Daniela. Isso é um homicídio que teve como vítima a mulher Daniela e não um feminicídio”, disse.

O assistente de acusação, Ygor Nasser Salmen, confirmou ao fim do julgamento que esse era o resultado que eles esperavam. “Nós estamos felizes e emocionados. Esse é o resultado de um trabalho árduo e não tem nada mais satisfatório para nós que ouvir as palavras de agradecimento da família da Daniela. É ao menos uma forma de contentar essa família que está totalmente desestruturada”, concluiu.

Retomado neste sábado (25), Emerson foi o primeiro ouvido. O julgamento, então, passou para a fase de debates antes da sentença ser divulgada.


Fonte: Banda B