Homem é preso em flagrante por descarregar lixo em área de preservação no Litoral

18

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu em flagrante um homem, de 25 anos, no momento em que descarregava um caminhão com lixo e entulho em área de preservação ambiental, no Balneário Flórida, em Matinhos, no Litoral do Estado. A prisão aconteceu na quarta-feira (15). Helicóptero e drone da PCPR foram utilizados para fazer o levantamento aéreo do local.

Foto: Divulgação Polícia Civil

Juntamente com a operação aérea, equipes da PCPR deslocaram-se em solo colhendo informações com moradores. Isso possibilitou o flagrante certeiro.

Moradores da região relataram que um caminhão estaria descarregando lixo em área de preservação ambiental. Ao chegar no local, os agentes da PCPR depararam-se com um caminhão que descarregava materiais plásticos, lixo doméstico, entulho, madeira velha, partes de móveis, colchão e até um sofá velho na mata, ao lado do Rio do Canal 1, em Matinhos.

Ao ser questionado, o condutor do caminhão respondeu que havia sido contratado para realizar o despejo da carga de entulhos por uma empresa que recolheria lixo no município de Matinhos. A qual será investigada pela PCPR.

Conforme apurado, não era a primeira vez que este tipo de material era despejado nesta área de preservação. Inclusive, há indícios de que entulho antigo está enterrado no local.

A delegada da PCPR, Sandra Nepomuceno, ressalta a importância de fiscalizações, especialmente envolvendo crimes ambientais, que traz um reflexo direto para toda a sociedade.

Na situação específica, a delegada diz que o aumento da devastação e poluição do rio poderia trazer danos a sociedade de Matinhos. “No local havia acúmulo de água, podendo gerar a proliferação do mosquitos da dengue. Apesar de ser uma área de preservação de mata atlântica, a poucos metros existe um loteamento com casas habitadas. Os moradores poderiam ser facilmente contaminados por doenças”, informa.

Para Sandra, a atuação da PCPR é decisiva, não só para cessar o crime ambiental, mas também para prevenir doenças e morte de animais que dependem daquele ambiente para sobreviver.

O homem foi autuado pelo crime ambiental descrito no artigo 54, que trata de causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora. Caso seja condenado pode ser penalizado com até quatro anos de prisão.

Por exigência da lei, foi arbitrada fiança. O suspeito pagou e responderá o crime em liberdade.


Fonte: Banda B