Mãe que viu filho matar irmã na RMC diz que ele “é um menino bom, mas tem uma doença”

0
95



Durante uma hora de conversa pelo telefone, Denise intercalou choro com gargalhadas de nervosismo. Ela estava na casa dos pais, em Santa Catarina, um dia após o aniversário de 15 anos do primogênito. “Falei pra ele: ‘Filho, você tem que entender que antes você tinha uma vida, agora vão te acusar por qualquer vento norte que soprar’”, lembra, antes de pausar a fala para mais um momento de lágrimas.

A reportagem conta que tudo aconteceu sem nenhuma briga anterior. O menino ficou até o dia 9 de agosto num centro socioeducativo, mas, de acordo com a mãe, foi liberado pelo Ministério Público do Paraná para viver e receber tratamento na casa do pai, de quem Denise se separou há 11 anos. Ele ainda não tem um diagnóstico fechado, mas “várias explicações possíveis de doenças mentais”. A mãe fala que ainda não está pronta para lidar 24h por dia com o menor.

Denise conta que desenvolveu síndrome do pânico e toma antidepressivos. Está afastada do banco em que trabalhava.

Na reportagem, ela conta como tudo aconteceu. Diz que chegou em casa e viu a filha agredida e o filho tentando fugir pulando a janela do apartamento, no segundo andar do prédio. Na queda, o menino quebrou as duas pernas e até hoje ainda não consegue andar.

A mãe conta ainda como está a vida hoje, explica que não viu nenhum sinal da doença do filho, sabe que ele precisa de cuidados e diz que nunca vai entender o que aconteceu.

Leia a reportagem completa aqui