Família e amigos de ciclista morto no trânsito protestam em frente à UTFPR: “Queremos justiça”

0
40


A mãe da vítima, Maria Pugliesi, explicou que o objetivo da manifestação é buscar justiça à morte do filho. “Queremos uma penalização ao motorista. Meu filho foi atropelado brutalmente. Eu, como mãe, vi como ato de crueldade. O Arthur estava na faixa de pedestre, ele atravessou e foi pego por trás sem chance de defesa”, afirmou em entrevista à Banda B.

Arthur saiu do interior de São Paulo e veio para Curitiba estudar engenharia. Atleta, ele praticava karatê. “Meu filho tinha bons reflexos e, se tivesse chance, teria se defendido ou pulado. Ele é de origem humilde e tinha como sonho estar aqui, estudando engenharia e, graças ao seu esforço, conseguiu realizar esse sonho”, disse a mãe.

Foto: Daniela Sevieri/Banda B

Maria ainda afirmou que não quis ver as imagens de segurança que mostram o atropelamento de seu filho. “Não quero ver. Ele era um menino justo, servo de Deus, esforçado, que me ajudava a pagar as contas de casa. Quero lembrar dele assim”, afirmou.

Ela espera que o motorista, que segundo ela, é culpado pelo acidente, seja responsabilizado. “Quero que a lei seja cumprida. Nada trará meu filho de volta, mas o que ele fez é muito cruel. Ainda pior que ele diga que o meu filho estava errado”, acrescentou.

Jeffrey Chiquini, advogado que representa a família de Arthur, acredita que os indícios levantados pelo inquérito policial sejam suficientes para condenar o motorista. “As imagens colhidas no local deixam claro que o motorista estava em alta velocidade quando atingiu o Arthur, em cima da faixa de pedestre, quando ele concluía a travessia”, relatou à reportagem.

De acordo com o advogado, as gravações ainda mostram o condutor alterando a cena do atropelamento. “Ele modificou a cena, o que pode ter contribuído para a morte do Arthur. Ele levanta o corpo, retira a vítima da rua e movimenta a bicicleta do lugar onde ela caiu”, disse..

“O Código de Trânsito deixa expresso que aquele que está sobre a faixa tem a preferência. As imagens deixam claro que o motorista estava em altíssima velocidade, visualizou o jovem e foi indiferente ao não reduzir a velocidade”, acrescentou Chiquini.

Ele ainda informou que o inquérito será concluído em breve e será levado ao Ministério Público. “Confiamos no trabalho da Justiça e queremos então que esse rapaz seja processado e julgado pelos crimes de homicídio culposo. Quem irá julgar é um juíz ou um tribunal do jurí, que é o nosso desejo”, completou o advogado.

Imagens de segurança mostram o momento da colisão