Vítima de feminicídio na Baixada deixa filho de 10 anos, que já perdeu o pai; ex-namorado está preso

0
117


A morte de Priscila Ferreira, de 35 anos, vítima de feminicídio em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, abalou profundamente a família. A vítima era mãe de um menino de 10 anos que, nos últimos quatro anos, tentava superar a perda do pai, que morreu vítima de infarto fulminante aos 38 anos. A criança, que agora é órfã de pai e mãe, já passava por tratamento psicológico para aceitar, aos poucos, a falta que a figura paterna fazia na sua vida. O garoto não estava em casa no último sábado, dia 6, quando a mãe foi assassinada a facadas pelo ex-namorado, Rone Vicente de Macedo, de 42 anos. O menino estava na casa da avó materna, informação que o agressor soube horas antes de aparecer na residência de Priscila, torturar a mulher por cerca de cinco horas, até matá-la porque não aceitava o fim do relacionamento, que durou menos de seis meses.

Violência contra mulher: Número de mulheres vítimas de violência doméstica no Rio foi de 250 por dia durante a pandemia da Covid-19

Rone, que chegou a se ferir e ser socorrido ao Hospital municipal de Belford Roxo, foi preso em flagrante pelos agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Segundo a Polícia Civil, o agressor foi encaminhado para o sistema prisional. A irmã de Priscila, Suelen Ferreira, afirma que o ex-namorado da irmã acompanhava esse processo e “não teve coração” quando tirou a mãe do menino.

— Ela teve que lidar com todo o sofrimento do filho depois que o pai morreu. Meu sobrinho passa por tratamento com psicóloga, porque é uma criança sofrida e revoltada. Ele tem passado por esse processo há quatro anos para tentar se recuperar após a morte do pai. Ele (Rone) é uma pessoa sem coração. Ele sabia da história, em nenhum momento que o meu sobrinho ficaria órfão, não pensou em ninguém — diz.

Agressão na delegacia: Preso em flagrante acusado de coagir ex-mulher dentro de delegacia no Rio

Priscila Ferreira e Rone de Macedo: namoro não chegou a seis meses de duração e terminou com o feminicídio da mulher Foto: Reprodução / Redes Sociais

A família busca justiça e acredita que todo o crime foi premeditado e calculado por Rone de Macedo, que estava separado em definitivo de Priscila havia duas semanas. A vítima deu um fim à relação e ainda tentou manter uma amizade com o ex, segundo a família, o que foi em vão. A primeira vez que eles haviam terminado, a mulher fez um registro de ocorrência contra ele por ameaça, roubo de carro e agressões verbais e físicas. Ele retornou uma semana depois do episódio com o veículo e pedindo perdão, que foi aceito por Priscila. Mas desde o problema, o relacionamento já não era mais o mesmo, e a vítima tentou se afastar do agressor.

— Para ele, não tem que ter segunda chance não. Ele faz mal para sociedade. Ele é perigoso. Se ele surtar de novo, ele pode matar outra pessoa, outra mulher, assim como fez com a minha irmã. A Priscila não era propriedade dele, assim como nenhuma mulher será. Ele é um assassino e faz mal para sociedade. Ele foi frio e calculou tudo do crime. Tinha até fita isolante na mochila que ele levou para casa da minha irmã, assim como a faca usada e gasolina. Ele planejou tudo para acabar com a vida dela — diz Suelen.

Feminicídio: Ex-marido é indiciado por feminicídio em Pernambuco; vítima morreu por asfixia

O crime

Priscila foi assassinada a facadas na manhã do último sábado, dia 6, dentro de casa, no bairro Itaipu, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A vítima de feminicídio deu fim à relação duas semanas antes do crime com Rone Vicente de Macedo, mas o ex-companheiro não aceitava o término, segundo a família, e tentou de todas as formas que reatassem. A vítima foi surpreendida pelo ex-namorado por volta das 5h e acabou torturada até ser morta por volta das 10h.

Rone Vicente de Macedo, de 42 anos, é o agressor de Priscila Ferreira e não aceitava o fim da relação
Rone Vicente de Macedo, de 42 anos, é o agressor de Priscila Ferreira e não aceitava o fim da relação Foto: Reprodução / Redes Sociais

Ele sobreviveu e foi preso em flagrante por agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Ele foi encaminhado para o sistema prisional. A arma do crime foi recolhida próxima ao corpo da vítima, que tentou se defender das agressões. No corpo, haviam hematomas nas pernas, cortes nos braços, incluindo um profundo no antebraço.

Desaparecida: Família procura jovem de 16 anos que desapareceu em Itaguaí: ‘Só queremos ter ela de volta’, diz prima

Priscila foi sepultada no domingo, dia 7, no Cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita, em uma cerimônia que contou com a presença de parentes e amigos próximos. Recentemente, ela começou a trabalhar em um depósito de veículos da prefeitura municipal, além de ter um campo de futebol que administrava após a morte do marido, há quatro anos, vítima de infarte fulminante aos 38 anos. A família não se conforma com o crime.

— A Priscila era guerreira, muito forte por ela e pelo filho. Ajudava a minha mãe, cuidava dos enteados. Ela trabalhava de dia na prefeitura e, à noite, no campo de grana sintética. Ela era tudo para gente, era o pilar da nossa família. Ele não tirou só a vida dela, acabou com a vida da minha família. Ela pagou com a própria vida a bondade dela. Terminou com ele há duas semanas, mas nunca imaginou que ele pudesse matá-la. Nem a gente imaginava isso — diz Suelen.



Fonte: Fonte: Jornal Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui