Torcedor do Flamengo é preso com bomba fake em Curitiba; entenda

0
24


Um torcedor do Flamengo, de 56 anos, foi preso, nesta terça-feira (26), com uma suposta bomba na sua própria casa no bairro Água Verde, em Curitiba. Segundo a Polícia Civil, o flamenguista esteve envolvido em uma confusão com torcedores do Athletico há uma semana, durante o 1º confronto válido pelas semifinais da Copa do Brasil. A bomba, conforme o próprio acusado, seria uma brincadeira em tom de vingança àqueles que o confrontaram na sua residência, que fica em frente à Arena da Baixada.

O artefato explosivo feito pelo torcedor do Flamengo. Foto: Marcelo Borges/Banda B

O investigador Luiz Schimidt, do 10º Distrito Policial (DP) no bairro Sítio Cercado, explicou que o homem divulgou imagens do artefato em grupos de athleticanos nas redes sociais.

“Ele construiu um artefato que é como um explosivo, embora nós tenhamos constatado que não há poder de fogo, divulgou nas redes sociais que faria uma vingança e soltaria esta ‘bomba’ nesta quarta (27) [data do jogo da volta] para causar um temor na torcida que lhe causou alguns danos”, explicou.

As informações sobre o artefato chegaram à Polícia Civil que foram até o local da residência. Lá, de imediato, o pedreiro confirmou a situação e a suposta bomba, que foi apreendida.

O homem prestou esclarecimentos à polícia sobre a ’brincadeira’ nas redes sociais sendo liberado em seguida. Se acusado, o homem pode pegar até 3 anos de prisão por fabricar um artefato explosivo sem autorização ou em desacordo com determinação legal, ou regulamentar.

Outro lado

”Foi uma brincadeira”, ressaltou o flamenguista ao repórter Marcelo Borges em entrevista. O torcedor, que trabalha como pedreiro, disse que mora na região da Arena da Baixada há cerca de 16 anos. Ele acusou os torcedores de estarem alcoolizados na hora em que partiram para cima dele.

“Todo mundo me conhece, eu sempre estou com a camisa do Flamengo por ali. Eles vieram para cima de mim e queriam arrancar a camisa a força. Eu cheguei a ligar para a polícia, mas ninguém me atendeu”, iniciou.

Segundo o flamenguista, no momento em que chegou o ônibus do time athleticano, estes torcedores envolvidos na confusão foram recebê-lo. No entanto, na hora que eles retornaram em direção à sede de uma das torcidas organizadas do Athletico, o pedreiro afirmou que os torcedores partiram para cima, novamente.

“Eu estava para dentro do portão. Eles quebraram o portão, mas jogaram cerveja, garapa, tudo o que tinham. Um deles chegou a mijar em cima de mim enquanto segurava o portão. Eu segui pedindo ajuda e, neste momento, veio uma viatura, dois soldados desceram e impediram a invasão”, completou.

Briga entre torcedores de Athletico e flamenguista
A confusão entre os torcedores aconteceu na Rua Brasílio Itiberê. Foto: André Ribas/Banda B

Sobre a bomba, o flamenguista explicou que mandou as fotos para athleticanos conhecidos e não tinha qualquer intenção de fazer algum mal.

“Não é uma bomba. É um cano de chumbo, cortado, com uma tampa em cima. Botei um fio de ‘nylon’, fingindo ser um pavio e mandei para os athleticanos. Isso não explode, nem tem como. Era o que tinha ali, mas jamais pretendia explodir. Eu cheguei a dizer: ‘agora, vai ser minha vez. Eu vou explodir tudo, vou botar tudo abaixo’. Mas é uma brincadeira”, finalizou.

Briga

A briga que aconteceu na última quarta (20) teve início após o pedreiro ser visto pelos torcedores athleticanos com a camisa flamenguista nos arredores da Arena da Baixada. Segundo a polícia, os torecedores da casa pediram para que o pedreiro tirasse a camisa flamenguista, mas ele não quis.

Começou, então, uma discussão mais calorosa entre os torcedores. A polícia ainda disse que os torcedores do Athletico tentaram invadir e quebrar o portão da residência do pedreiro. Alguns dedos da mão do pedreiro ficaram machucados diante desta confusão.

O repórter André Ribas, da equipe esportiva da Rádio Banda B, esteve acompanhando os arredores da Arena da Baixada naquele dia, e gravou imagens da confusão. Veja tudo abaixo.

Vídeos

Veja imagens feitas pelo repórter André Ribas da confusão, abaixo. No vídeo é possível ver o momento em que o torcedor do Flamengo é agredido.

O repórter Marcelo Borges esteve no 10º DP e fez imagens do suposto artefato explosivo.





Fonte: Banda B