Polícia vai rever reconhecimento de homem que ficou 55 dias preso por crime que não cometeu

0
32


A Polícia Civil anunciou que vai rever todos os reconhecimentos feitos com uma foto, de 2017, do auxiliar administrativo Danilo Félix Vicente de Oliveira, de 25 anos, que passou 55 dias preso por um crime que não cometeu. Por conta da imagem antiga, em que o rapaz aparece de cabelo curto , Danilo foi apontado por vítimas que o reconheceram como sendo o autor de pelo menos quatro assaltos, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Os crimes ocorreram em julho último.

RI Rio de Janeiro (RJ) 29/09/2020 – Preso por Engano – O auxiliar administrativo Danilo Félix chora ao reencontrar a mulher Ana Beatriz, ao sair da prisão. Ele fi preso engano, acusado de um assalto em Niterói. Foto de Márcia Foletto Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

O auxiliar administrativo saiu, nesta terça-feira, do Presídio Evaristo de Moraes, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, após ser absolvido pela Justiça em um dos casos. A defesa dele sustenta que o jovem estava há um ano usando tranças e cachos, discrição que não confere com o relato das pessoas assaltadas ( que o assaltante usava cabelo curto). De acordo com 76ª DP( Niterói) , que investiga os roubos, as partes envolvidas serão convocadas para confirmar ou não se Danilo participou dos assaltos. Ao todo, segundo a polícia, seis pessoas reconheceram o rapaz.

Segundo parentes, Danilo usava cabelo grandes com tranças quando foi preso
Segundo parentes, Danilo usava cabelo grandes com tranças quando foi preso

Uma das quatro acusações de roubos, referente a um crime que ocorreu dia 2 de julho , causou a prisão de Danilo, no dia 6 de agosto. Neste último caso, ele já foi absolvido pela Justiça. A situação do rapaz, no entanto, não é tranquila e o jovem ainda pode voltar a ficar atrás das grades. É que um novo pedido de decretação de prisão preventiva, em nome de Danilo, tramita na 4ª Vara Criminal de Niterói.

Foto de 2017, usada pela polícia no reconhecento feito na 76ªDP
Foto de 2017, usada pela polícia no reconhecento feito na 76ªDP

Neste caso específico, o auxiliar administrativo figura ao lado de outras duas pessoas como autores de um dos assaltos. Dois roubos ocorreram nos dias 2 e 14 de julho. A exemplo do inquérito que resultou na prisão de Danilo, o reconhecimento nos três casos restantes, foi feito por conta de uma foto antiga, e não com visual de cabelo grande com cachos, como rapaz estava ao ser preso.

Um dos responsáveis pela defesa do auxiliar administrativo, a advogada Cristiane Lemos entrou com um pedido de habeas corpus , no Tribunal de Justiça do Rio (TJ), para garantir a liberdade do seu cliente. A medida será avaliada por desembargadores da 5ª Câmara Criminal.

Procurada, a assessoria do Tribunal de Justiça (TJ) informou que ainda não há previsão de quando será julgado pelos desembargadores o pedido de habeas corpus. Já no site do TJ também não há resposta para a solicitação de nova prisão feita pela polícia.

Nesta terça-feira, a advogada de Danilo Felix já havia adiantado que seu cliente é inocente das acusações.

— As vítimas fizeram o reconhecimento desta foto, de 2017, na qual ocorre o mesmo do processo que a gente teve a audiência e que designou absolvição do Danilo. Os outros processos também versam sobre isso, sobre esse reconhecimento, sobre essa foto . Óbvio que tudo preocupa, mas a gente tem muita certeza da inocência do Danilo — disse a advogada, na ocasião.

Danilo Félix teve os cabelos cortados ao dar entrada no sistema prisional. Nesta terça-feira, ele passou a primeira noite fora da cadeia, depois de ter deixado o presídio. Segundo Ana Beatriz Sobral, de 21, mulher do auxiliar administrativo e mãe de um filho do casal, o rapaz comemorou seu aniversário de 25 anos, em companhia da família.

Parentes trouxeram um bolo e fizeram um churrasco para comemorar a liberdade do jovem. Nesta quarta-feira, Danilo acordou depois das 11h, já que estava muito cansado por conta das noites mal dormidas na prisão.

— O Danilo ficou o tempo inteiro com o nosso filho, de 1 ano. Minha sogra trouxe um bolo e cada um da família comprou um pedaço de carne. Nesta quarta-feira, meu marido acordou mais tarde porque estava muito cansando com tudo o que aconteceu — disse Ana Beatriz.

Procurada para falar sobre o caso a Polícia Civil emitiu a nota abaixo sobre as investigações .

De acordo com a 76ª DP (Niterói), o jovem foi reconhecido por seis vítimas em procedimentos de roubos investigados pela unidade. As fotos dele foram extraídas das suas próprias redes sociais, consideradas fontes abertas, procedimento comum utilizado pela Polícia Civil para realizar levantamento de identificação e qualificação de autores de crimes.



Fonte: Fonte: Jornal Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui