A Polícia Civil está investigando se houve ritual de magia negra na morte da deficiente Maria Salete de Oliveira Braz, de 30 anos, que aconteceu no bairro Cajuru, em Curitiba. A mãe de Maria foi presa suspeita de matar e torturar a própria filha no chamado ‘quarto do terror’.  O crime aconteceu no dia 4 de maio e a prisão foi feita na quinta-feira 19 de maio. O corpo da vítima foi encontrado com diversas queimaduras, em um local com a situação precária, com fezes e sujeira espalhadas pelo chão.

A mulher foi presa pela DHPP. Foto: colaboração.

O delegado Tito Lívio Barrichello disse em entrevista que essa informação foi repassada a ele por testemunhas.

“Eu posso dizer nesse momento que sim, há nos autos essa informação. Eu não posso afirmar exatamente o que aconteceu. É importante apurar a motivação para a qualificação do crime”, explicou.

No dia do crime, a mãe da jovem, que foi encaminhada à delegacia para prestar depoimento, alegou que ela caiu da escada. A investigada ainda afirmou que a filha chegou em casa na madrugada após ficar dois meses fora. Testemunhas também disseram que ela estava grávida e perdeu o bebê durante o ritual.

“Nós temos provas testemunhas que dizem que ela estaria grávida durante os rituais. Nós não temos como comprovar esse fato por falta de provas periciais, por ter acontecido há muito tempo”, comentou.

A mulher seria mãe de mais duas pessoas com deficiência. Os dois filhos foram encaminhados para a delegacia, para fazer exame de corpo de delito. Ainda não foi indicado um advogado para a defesa da suspeita.

Barrichello informou ainda que uma vizinha da casa está sendo indiciada. O delegado pede a prisão preventiva dela, por suspeita de coautoria nas agressões a Maria Salete.