Policia indicia PF por homicídio triplamente qualificado e quatro tentativas de assassinato em posto

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O policial federal Ronaldo Massuia Silva foi indiciado por homicídio triplamente qualificado e quatro tentativas de assassinato. O inquérito da Polícia Civil foi concluído nesta quarta-feira (11). Ronaldo é suspeito de abrir fogo contra quatro pessoas que estavam em uma loja de conveniência de um posto de combustíveis no bairro Cristo Rei, em Curitiba. O fotógrafo André Muniz Fritoli morreu após ser atingido. Além disso, Massuia foi indiciado por ameaça e disparo de arma de fogo.

Os crimes apontados pelo relatório para o indiciamento são: homicídio qualificado por motivo torpe, motivo fútil e recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima; quatro tentativas de homicídios; ameaça; e disparo de arma de fogo.

Entre as tentativas de homicídio, três vítimas foram baleadas. Ronaldo também, segundo o documento, atirou contra uma quarta pessoa, mas não a acertou.

Foto: Colaboração.

Com isso, o relatório foi encaminhado ao Ministério Público e também à Corregedoria-Geral da Policia Federal (PF). No documento, o delegado diz que é necessário haver uma investigação, por parte da PF, em relação a viatura ser usada por uma “civil”, no caso, a ex-namorada de Massuia.

A ex-namorada de Ronaldo Massuia Silva confirmou, em depoimento prestado nesta terça-feira (10), que buscou o policial federal em uma casa noturna do bairro Água Verde, em Curitiba, e o levou até o posto de combustíveis do Cristo Rei. Segundo ela, os dois mantém uma relação de amizade e, por conta do estado de embriaguez, Massuia teria a chamado para tirar a viatura da PF do local e fazer o deslocamento com segurança.

Massuia continua preso no Complexo Médico Penal (CMP).

O que diz a defesa de Massuai

Em nota, a defesa do policial federa diz que “o indiciamento do policial federal Ronaldo Massuia é um entendimento da autoridade policial e o primeiro passo do processo criminal. A defesa já solicitou diligências, além da reprodução simulada dos fatos, que vai esclarecer pontos sobre o trágico fato que pode alterar o relatório final do inquérito policial”, comentou.

O que diz os advogados da família de André

Os advogado da família de André disseram em nota que: “o inquérito policial foi concluído e contém todas as provas de materialidade e de autoria – que é confessada pelo Indiciado – e traz um importante material que demonstra que a conduta do policial federal é cruel e injustificada, tendo vitimado inúmeras pessoas. Com o encerramento das investigações, a família de André Muniz Fritoli aguarda o oferecimento da denúncia pelo Ministério Público para que, com o devido processo, haja punição a altura e se alcance justiça”, comentou.





Fonte: Banda B