Polícia encerra investigação sobre morte de soldados do Exército em São Gonçalo e busca por quatro suspeitos

0
67


A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) encerrou as investigações sobre a morte de dois soldados do Exército em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, em julho deste ano. Os corpos de Victor Hugo Xavier e Daniel Ferreira de Azevedo foram encontrados em um carro incendiado no bairro Pacheco. De acordo com o delegado Mario Lamblet, são quatro os suspeitos de envolvimento no crime.

— As identidades dos suspeitos ainda não podem ser reveladas porque estamos levantando informações que possam levar à prisão deles. A divulgação de nomes e imagens poderia dificultar essa ação. O inquérito foi encerrado e agora vamos trabalhar nas buscas pelos envolvidos no crime — disse Lamblet.

Tragédia: ‘Vou viver apenas para ver quem fez isso ser preso’, diz mãe de um dos soldados carbonizados em São Gonçalo

O carro onde estavam os corpos Foto: Redes Sociais / Reprodução

Victor Hugo e Daniel só puderam ser identificados por exames de arcada dentária. Victor era lotado no 21º Grupo de Artilharia de Campanha (GAC) e Daniel atuava na Fortaleza de Santa Cruz da Barra, ambos em Jurujuba, Niterói.

Organização criminosa: Presa, filha de Belo afirma à polícia estar endividada e nega saber que trabalhava para golpistas

De acordo com a investigação, os militares teriam assistido a uma partida entre Flamengo e Fluminense em uma casa de festas no Mutondo. Em seguida, foram para um bar no Raul Veiga, onde teriam conhecido duas jovens. Testemunhas contaram que os rapazes foram levar a dupla para casa, no carro do pai de Daniel, e acabaram sendo interceptados onde elas moram. Eles teriam sido mortos após uma discussão causada por um acidente de trânsito.

Informações sobre os envolvidos nas mortes dos soldados podem ser compartilhadas com o Disque Denúncia nos seguintes canais: Whatsapp Portal dos Procurados (21) 98849-6099; telefone do Disque Denúncia (21) 2253-1177; aplicativo para celular do Disque Denúncia e também pelo Facebook, Twitter e Instagram. Em todos os casos o anonimato é garantido.



Fonte: Fonte: Jornal Extra