Polícia diz que empresária agredida em Curitiba sofreu tortura; entenda

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Após a Banda B divulgar o caso de uma empresária na noite desta quarta-feira (10), que relatou ter sido agredida pelo ex-marido após uma tentativa de separação em Curitiba, o delegado Rinaldo Ivanike, do 10º Distrito Policial, informou que o caso está sob investigação. Segundo ele, o suspeito se apresentou à delegacia nesta terça-feira (10), um dia depois da mulher ter denunciado que ele estaria se aproximando mesmo com a vigência de medida protetiva.

Marcas de esganadura apresentadas pela vítima à polícia – Foto: Arquivo pessoal

Ivanike afirmou que não foi convencido após ouvir o homem na ocasião de alegadas torturas sofridas pela vítima no dia 19 de abril. Nesta situação, o delegado fez um pedido de prisão que não foi aceito pela Justiça.

“Ele alega traição, conta umas histórias ‘sem pé nem cabeça’, que não convenceram a polícia”, iniciou. “Ele não aceitou a separação dela, praticou crime de tortura e fez uma série de violências”, completou.

À reportagem, a advogada de defesa dele, Fabiana Regina, disse que as acusações da empresária são controversas (veja posicionamento abaixo).

Em entrevista à Banda B nesta terça-feira (10), a mulher falou sobre as cenas de violência vivenciadas por ela na frente da própria filha, de 9 anos, no dia 19 de abril. Ela mostrou marcas no corpo que teriam sido provocadas pelo ex-marido nesta situação. Mãe e filha possuem medida protetiva contra o suspeito.

“Ele me torturou durante três horas. Me amarrou, me esganou e perdi a consciência duas vezes. Em uma delas, me fingi de morta. Minha filha disse que me viu amarrada e morta em cima da cama”

Ivanike comentou a situação.

“Ele não pode se aproximar nem dela nem da filha. Se ele se aproximar, ela tem que acionar a Polícia Militar, Civil ou a Guarda Municipal, quem estiver mais perto, para efetuar a prisão dele. A Polícia irá novamente pedir a prisão do suspeito ao Poder Judiciário”, completou o delegado.

Defesa nega acusações

Sobre as acusações da empresária, a advogada de defesa do homem falou que homem “nunca teve qualquer problema de agressão neste relacionamento”. Fabiana Regina detalhou as supostas controversas que, segundo ela, podem ser vistas na acusação da ex-mulher.

“A ex-mulher dele falou em depoimento que ficou em tortura a noite toda. Depois, ela alega nas entrevistas que ele foi até o quarto apenas de manhã. Em outras ocasiões, ela diz que foi durante uma hora e meia. Ela também diz que estava amordaçada, amarrada nos pés e mãos. Só que, depois, ela diz que saiu correndo escada abaixo, gritando. Eu não consigo entender como alguém que está amordaçada e amarrada, consegue correr gritando”, começou Fabiane.

empresária agredida Curitiba
Mulher mostra mão ferida após ter tentado se proteger do canivete usado pelo ex — Foto: Arquivo pessoal

Fabiane continuou sua fala e destacou as marcas de sangue mostradas pela mulher.

“Sendo que ela mesmo afirmou em entrevista, que foi ela que se cortou. Ela afirmou que o meu cliente premeditou e planejou matar ela e que, há dois anos, tentava se separar dele. Só que neste tempo, ela enviava fotos íntimas de sedução, emitia palavras de amor e carinho. E isto tudo no úlitmo mês que eles ficaram juntos. O que corroborra mais uma vez que ela é desequilibrada, dissimulada”, afirmou.

Advogada nega perseguição

A mulher, que também diz estar sendo perseguida pelo ex-marido, afirma que chegou a vê-lo nesta segunda-feira (9) de ‘relance’. Vizinhos também relataram que ele tem aparecido com frequência nas redondezas da casa dela. A advogada de defesa negou a situação.

“Ele esteve comigo e com outro advogado na delegacia para prestar esclarecimentos. Em nenhum momento ele esteve rondando a loja. Até porque está trabalhando para poder ter uma renda afim de se manter e, futuramente, requerer seus direitos enquanto pai. Já que a loja que o casal tem era a única fonte de renda da família”, falou.

empresária agredida Curitiba
Vítima das agressões recebe antedimento médico após o acionamento do Corpo de Bombeiros — Foto: Arquivo pessoal

A advogada, por fim, reforçou que todas as situações citadas acima serão comprovadas.

“O que temos até o momento é que a narrativa da ex-mulher é conflitante com as narrativas que ela tem dito nas entrevistas. Todos os fatos devem e vão ser esclarecidos, e todos devidamente comprovados”, finalizou.

A Polícia Civil, por meio do 10º DP, segue investigando o caso.





Fonte: Banda B