Polícia descarta participação de marido e descobre verdadeiro motivado para morte de jovem na CIC

0
15


O suspeito de matar a jovem Bárbara de Souza Barte, de 24 anos, foi preso pela Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (13), menos de 24 horas após o crime que aconteceu na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Até então, o principal suspeito do crime era o marido da vítima porque, segundo a polícia, havia dado versões contraditórias sobre o que teria ocorrido aos investigadores, quando foi levado à delegacia.

O momento em que o suspeito, preso na manhã desta segunda (13), sobe o muro para invadir a casa da vítima. Foto: Reprodução/Divulgação Polícia Civil

À Banda B, o delegado Thiago Nóbrega, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), explicou que câmeras de monitoramento na região onde aconteceu o crime, e depoimentos de testemunhas foram fundamentais para encontrar o suspeito do crime. Um vídeo divulgado pela Polícia Civil mostra o momento em que o acusado do crime entra na casa da vítima (veja abaixo).

“O suspeito foi preso na própria residência. Ele, porém, disse que só vai falar em juízo, não quer se pronunciar sobre a motivação”, iniciou. “As testemunhas que foram ouvidas, foram unanimes em apontar o suspeito como autor do crime e que o teria praticado devido a uma desavença entre ele e a vítima. Desavença ligada a aquisição de um aparelho celular e outras dívidas”, comentou ele falando sobre a possível motivação do crime.

Bárbara, de acordo com a polícia, foi morta em casa, na frente do próprio filho. Ela foi achada ao lado de uma cama na residência localizada na Rua Favo de Mel, na Vila Barigui. A criança, que tinha menos de um ano, foi encaminhada ao Conselho Tutelar. “Todas as testemunhas contribuíram para as investigações, apontando o individuo como sendo o que ingressa na casa e acaba, em seguida, desferindo 12 facadas na vítima”, analisou Nóbrega.

O acusado foi autuado em flagrante e poderá responder pelo crime de homicídio triplamente qualificado.

Marido

Também sobre o caso, ainda na manhã desta segunda (13), a delegada Aline Manzatto havia explicado o porquê do marido estava sendo apontado como o principal suspeito do crime. A investigadora destaca em sua fala que é estranho que o companheiro apresente versões contraditórias sobre a situação.

Foto: Colaboração

“Ele disse que com o pé ele teria visto que a mulher estava morta, disse que ele estava em posse da criança no momento do crime, depois disse para um policial que tirou a criança do colo da mãe. Depois disse que tinha pisado com o tênis nas marcas de sangue, mas roupas que ele estava não havia nenhuma marca de sangue. Com isso, temos o raciocínio de que ele trocou de roupa, pelo menos o tênis a gente tem certeza que ele teria trocado, em função da pegada deixada no local do crime, comparada com o tênis que ele estava usando”, comentou à Banda B pela manhã desta segunda (13).

O caso segue sendo analisado pela Polícia Civil.

Vídeo

Veja o vídeo disponibilizado pela Polícia Civil, abaixo.





Fonte: Banda B