PF faz operação contra a divulgação de conteúdo pornográfico infantil

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A Delegacia de Polícia Federal em Paranaguá, no Litoral do Estado, deflagrou manhã desta quarta-feira (18) a Operação Harpócrates, como foco na repressão ao abuso sexual de crianças e de adolescentes e à divulgação de conteúdo pornográfico infanto-juvenil na internet. Uma pessoa foi presa em flagrante, em Ribeirão Preto, São Paulo, por armazenar arquivos pornográficos envolvendo menores de idade, além de haver suspeita de ele ser o próprio produtor do material.

Foto: Divulgação PF

O caso teve início após o encaminhamento à Polícia Federal de um relatório da National Center for Missing and Exploited Children – NCMEC reportando a possível produção, armazenamento e compartilhamento na internet de imagens com conteúdo pedófilo por pessoa que, na época (2018-2019), morava em Guaratuba.

As investigações corroboraram o vínculo entre o material ilícito identificado e o suspeito por sua manipulação, bem como descobriram o atual paradeiro.

Foram cumpridos em Ribeirão Preto dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela 9ª Vara Federal de Curitiba, após representação da autoridade policial e manifestação favorável do Ministério Público Federal.

Com a diligência, pretende-se esclarecer a autoria do delito, a identidade das vítimas, o alcance do compartilhamento das imagens, bem como identificar se  novas condutas análogas continuaram sendo praticadas.

Harpócrates

O nome da operação tem como referência o deus Harpócrates, que fora adaptado pelos antigos gregos a partir da representação infantil do deus egípcio Hórus, cuja imagem era a de um menino com o dedo em frente à boca, indicando sinal de silêncio. É uma alusão às crianças que sofrem abusos de pessoas próximas e que, com isso, têm sua voz silenciada por aqueles que as deveriam proteger.

Hoje, 22 anos depois de instituída pela Lei 9.970/00, o Dia do Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes também serve para lembrar a sociedade sobre o dever coletivo de proteger e cuidar desse público.





Fonte: Banda B