Noitada termina com desespero, correria e gritaria em Curitiba

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Com relatos que até lembram a tragédia ocorrida na Boate Kiss, na cidade de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, há nove anos e 242 mortes, frequentadores de um estabelecimento no bairro Xaxim, em Curitiba, afirmam ter passado por um grande sufoco no final da noite de sábado (26).

Imagem ilustrativa: Pixabay.

O local é uma casa de espetinhos e que toca música ao vivo até a madrugada no fim de semana. A confusão teria sido iniciada após uma briga entre alguns clientes na área interna. Um dos clientes, então, teria pego o extintor de incêndio e acionado em direção aos frequentadores, como informa uma nota da Polícia Militar sobre o caso, enviada à Banda B na manhã deste domingo (27). (Leia na íntegra no final). Mas muitos pensaram que o local pegava fogo, segundo a PM.

Sem saberem que não se tratava de um incêndio, os clientes se desesperaram e a briga acabou virando uma grande confusão. Uma das pessoas que estavam no local relatou que o cenário era de correria, gritaria, pessoas pisoteadas, com dificuldade de respirar e portas de saída trancadas, o que remeteu a ela o tumulto que terminou em tragédia em Santa Maria.

“Foi isso a impressão que a gente teve. Foi terrível”,

disse a mulher, que não quis ser identificada.

Segundo ela, pouco antes de meia-noite começou uma briga e o próprio dono do estabelecimento teria retirado um rapaz que estava no meio da confusão. “Levou ele pro fundo e parece que bateram nele lá no fundo. Aí o pessoal começou a vaiar e começou um barulho. Deu um estouro e começou uma fumaça, mas muita fumaça, não dava para ver nada. Aí o pessoal começou a se desesperar, todo mundo começou a sair correndo, tentando fugir, sair de lá”, relatou ela.

A testemunha estava pela primeira vez na casa de espetinhos e comemorava o aniversário do irmão no local, com amigos e familiares dele. O rapaz disse para a Banda B que a porta dos fundos, que seria uma saída de emergência, estava trancada e as pessoas não conseguiam sair e começaram a tentar sair pulando janelas.

“Aquela fumaça era muito densa, então a visibilidade lá dentro ficou muito ruim, porque o ambiente já é escuro. Não se enxergava meio metro pra frente, estava terrível. Trancaram as portas para as pessoas não saírem sem pagar”, afirmou.

Ele disse ainda que os sogros estavam no local, assim como a esposa, e que o casal foi pisoteado no meio da confusão.

“Algumas pessoas me deram alguns presentes e minha sogra, um pouco antes da confusão, tava indo embora, e pedi que levasse todos os meus presentes. Aí acabou que naquele empurra-empurra, minha sogra, tem 50 anos, e meu sogro 60, foram pisoteados. Perderam documento, carteira, celular, perderam todos os presentes, o bolo da festa, tudo sumiu no meio daquela confusão.”

O homem de 60 anos passaria por exames na perna, para avaliar o ferimento. A filha dele também se machucou. “Quebrei o pé em abril do ano passado e tô achando que quebrei de novo, porque deram um pisão muito forte no meu pé”, contou ela.

Esposa do aniversariante, ela também reclamou da forma como os clientes teriam sido tratados no momento do desespero, sem ainda saberem o que realmente acontecia. Muitas pessoas, inclusive, acabaram deixando o local sem pagar as despesas do bar no meio de todo o tumulto.

“Queriam cobrar R$ 400 por ter perdido a comanda. Como não vai perder comanda num vuco-vuco daqueles. Um deu um empurrão nela e disse: Então, vaza daqui, guria!” Foi totalmente grosso.”

Nota da Polícia Militar na íntegra

NO ESTABELECIMENTO, UM CLIENTE IDENTIFICADO PELOS FUNCIONÁRIOS CAUSOU UM TRANSTORNO PEGANDO O EXTINTOR JOGANDO EM MEIO A TODOS OS CLIENTES QUE ESTAVAM NO INTERIOR DO LOCAL, VINDO A CAUSAR UMA RIXA ENTRE VARIAS PESSOAS, COM A CHEGADA DA EQUIPE POLICIAL LOGRAMOS EXITO EM ABORDAR O CAUSADOR DO EVENTO, SENDO CONDUZIDO ATÉ AO 1° CARTÓRIO, PARA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS. OBSERVAÇÃO: COM O TRANSTORNO GERADO VÁRIOS CLIENTES PENSARAM QUE O LOCAL ESTAVA SENDO INCENDIADO.

Apesar dos relatos, nenhum cliente do estabelecimento apresentou registros de fotos ou vídeos do que contam ter acontecido até o momento. A reportagem da Banda B tenta entrar em contato com o estabelecimento onde ocorreu a confusão no Xaxim. O espaço está aberto para manifestação de um responsável pela casa, caso julgue necessário.





Fonte: Banda B