Morte de lutador de capoeira em Curitiba foi motivada por vingança após bullying

37

As investigações da morte do lutador de capoeira Diego Henrique Lopes Moreira e seu amigo, ambos de 25 anos, foram concluídas pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), nesta quinta-feira (04). Três suspeitos de envolvimento nos crimes ocorridos no dia 13 de abril de 2019, foram indiciados por homicídio qualificado e podem pegar uma pena que varia entre 12 e 30 anos de prisão.

Durante as investigações, a PCPR ouviu testemunhas, realizou analise de câmeras de segurança e prendeu dois homens ainda no ano de 2019. O terceiro suspeito, que estava foragido, foi preso pelo pela Polícia Militar do Paraná no dia 28 de maio deste ano, no bairro Boqueirão.

 

Foto: Divulgação Polícia Civil

 

Durante a abordagem não foi encontrado nada ilícito, porém foi constatado que o mesmo encontrava-se foragido da Colônia Penal e havia em seu desfavor um mandado de prisão em aberto referente aos crimes de homicídio consumado e tentado.

Para o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, Tito Barichello, o crime teria sido motivado por desentendimento entre um dos investigados com o lutador. “A vítima teria participado de uma briga, por motivos pessoais, em um posto de gasolina, devido à pratica de bullyng. Este investigado, após brigar com a vítima, teria a roupa retirada durante a briga. Depois disto, ele procurou a ajuda dos outros investigados para realizar o crime”, explicou.

O CRIME

O capoeirista e seu amigo foram vítima de uma emboscada planejada pelos suspeitos. O crime aconteceu no cruzamento das ruas Carmelitas e Pastor Carlos Frank, no bairro Boqueirão, enquanto Henrique e seu amigo voltavam para casa, por volta das 05h da manhã. No dia, os dois foram atingidos por diversos disparos de arma de fogo.

Moreira morreu no local. Já seu amigo foi encaminhado ao Hospital do Trabalhador e conseguiu resistir aos ferimentos.

 


Fonte: Banda B