Média de assassinatos em seis cidades da Região Metropolitana de Curitiba é maior do que a nacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Números divulgados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2021 nesta quarta-feira (18) mostram que nove cidades estão com taxas de mortes violentas muito superiores à média nacional. De todos esses municípios, seis fazem parte da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e um pertence ao litoral do estado. Em 2020, o Brasil teve média de 23,6 vítimas de morte violenta e intencional por grupo de 100 mil habitantes. O Paraná ficou próximo a essa marca, com taxa de 21,6 mortes.

Foto: AEN

Contudo, na análise por municípios com população igual ou superior a 100 mil habitantes, seis cidades da RMC e uma do Litoral estão taxas superiores a da média nacional. São elas: Piraquara (61,8), Paranaguá (46,7), Almirante Tamandaré (41,7), Fazenda Rio Grande (41,2), Foz do Iguaçu (35,6), Araucária (32,1), Colombo (31,6), São José dos Pinhais (27,7) e Pinhais (25,5).

O Paraná foi um dos 16 estados da Federação que apresentaram alta no índice de mortes violentas. O aumento foi de 11,2% em comparação a 2019. Em 2020, o estado teve ainda 2.008 vítimas de homicídios dolosos. O Anuário é produzido com informações fornecidas pelas fontes oficiais da Segurança Pública em todo o país e registra como mortes violentas intencionais casos de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais.

De acordo com o procurador-geral de Justiça Gilberto Giacoia, na Justiça Criminal, a vítima necessita de especial atenção por parte das instituições públicas, para que seus direitos sejam adequadamente assegurados.

A corregedora-geral do Ministério Público do Paraná (MP-PR), procuradora de Justiça Rosângela Gaspari, apontou que os integrantes do MP precisam buscar sempre um olhar humanizado a essas pessoas e suas famílias. “É fundamental que todos os agentes ministeriais atendam as vítimas de crime com acolhimento, não apenas orientando-as juridicamente, mas deixando claro que elas não estão sozinhas. Isso é importante para que elas possam seguir em frente, sabendo que a Promotoria reconhece o sofrimento e não as considera apenas um meio de prova”, diz

Dados nacionais

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública destacou que, em 2020, o Brasil teve 50.033 vítimas de mortes violentas intencionais. Desse total, 42.105 foram alvo de homicídios dolosos. Outro crime grave apresentado no levantamento foi que o país teve 60.926 registros de violência sexual, sendo desses 44.879 de casos de estupro de vulnerável, ou seja, de pessoas com menos de 14 anos (ou acometida de enfermidade/doença mental ou situação, ainda que transitória, que lhe impeça a resistência ao crime).



Fonte: Banda B