Justiça do Rio mantém presos estelionatários de SC que deram golpe de R$ 1 milhão em vários estados

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A juíza Raquel Assed da Cunha, da 1ª Vara Criminal Especializada, converteu, na tarde desta sexta-feira, dia 13, a prisão em flagrante em preventiva da quadrilha de estelionatários de Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, flagrada atuando no Leblon, na Zona Sul do Rio.

De nove meses: Presa grávida, golpista de SC é levada para hospital e tem bebê no Rio

De acordo com a delegada Daniela Terra, titular da 14ª DP, com os valores do golpe, o grupo ainda realizava compras de bens de luxo, como joias, para revender. Foram identificados dois apartamentos na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade, onde eles estavam hospedados, e ainda apreendidos com ele um carro Audi Q3, dez celulares, R$ 4 mil em espécie, uma pistola com a numeração raspada, dois carregadores, além de munição.

Passagens por vários estados: Estelionatários presos no Rio viajavam pelo país esbanjando dinheiro do crime

O inquérito aponta que Diego Luís Pereyra Ferreira, Willian Teixeira Chicorsky, Fernanda Natalina dos Santos Lima e Angélica de Jesus Albercht se beneficiavam dos valores obtidos com os golpes e ostentavam uma vida de luxo, com uso de carros e motos importadas, lanchas e jetski.

Cartões clonados: Influencer presa por estelionato faz acordo para pagar prejuízo de golpe e Justiça determina arquivamento do inquérito

— Com a evolução da tecnologia e a disseminação dos bancos digitais, as quadrilhas se especializaram na aplicação de golpes, sobretudo no ambiente da deep web, a parte da internet que fica oculta do grande público. Para evitar esses crimes, é preciso que essas instituições financeiras invistam em segurança e os clientes redobrem a atenção e também não comprem produtos de procedência duvidosa — explica a delegada Daniela Terra.

Com os criminosos, foram apreendidos dez celulares, R$ 4 mil em espécie, uma pistola com a numeração raspada, dois carregadores, além de munição Foto: Reprodução

Na delegacia, os bandidos ofereceram R$ 150 mil aos policiais para serem liberados. Eles foram autuados em flagrante por estelionato, associação criminosa, corrupção ativa e posse de arma de fogo de uso restrito.



Fonte: Fonte: Jornal Extra