Justiça condena casal a 61 e 54 anos de prisão por triplo homicídio em cidade do Paraná

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

O Tribunal do Júri de Palmas, no Centro-Sul do Paraná, condenou nesta terça-feira (24), dois réus – um homem e uma mulher – denunciados pelo Ministério Público do Paraná por triplo homicídio. As penas são de 61 e 54 anos de reclusão.

Foto: Pixabay

De acordo com a denúncia, oferecida pela Promotoria de Justiça da comarca, na madrugada de 25 para 26 de março de 2018, as vítimas (um homem de 70 anos, sua esposa, de 58 anos, e uma filha do casal, de 26 anos, com deficiência física e mental) foram surpreendidas na sede da fazenda onde moravam. Os três foram amarrados e levados na caçamba de uma caminhonete até uma ponte sobre o Rio Ferro, de onde foram lançadas.

De acordo com o promotor de Justiça José de Oliveira Júnior, o casal acusado de triplo homicídio foi julgado e condenado, nos termos da denúncia oferecida pelo Ministério Público. Segundo ele, um veículo das vítimas e alguns objetos da casa foram subtraídos para simular um roubo.

O crime teria sido cometido a pedido de uma pessoa ainda não identificada que teria pago R$ 50 mil pela execução, cujas motivações não foram esclarecidas. Além dos dois réus condenados nesta semana, um terceiro comparsa foi executado dias após o triplo assassinato, uma adolescente que participou do crime foi responsabilizada perante a Justiça da Infância e da Juventude, e o quarto envolvido (que recebeu o pagamento pelos homicídios) está preso e ainda será submetido a julgamento.

Toda as teses apresentadas pelo MPPR foram acolhidas pelo Conselho de Sentença, que reconheceu a prática dos crimes de homicídio qualificado (mediante promessa de pagamento, meio cruel e recurso que dificultou a defesa do ofendido) por três vezes em relação a cada acusado e furto qualificado pelo concurso de agentes e corrupção de menores (por quatro vezes, em relação a cada acusado).

Os réus já estavam presos e tiveram as prisões preventivas mantidas, de modo que não poderão recorrer em liberdade.



Fonte: Banda B