Justiça aceita denúncia do MP e mantém prisão de policial federal que abriu fogo contra clientes de posto

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), nesta terça-feira (24), contra o policial federal Ronaldo Massuia Silva por homicídio triplamente qualificado pela morte do fotógrafo André Muniz Fritoli e por 7 tentativas de homicídios também triplamente qualificados. A manutenção da prisão preventiva de Massuia, requerida pelo órgão na denúncia, também foi aceita pela juíza Mychelle Pacheco Stadler, da Primeira Vara do Tribunal do Júri de Curitiba.

Foto: Reprodução

O crime aconteceu em um posto de combustíveis do bairro Cristo Rei, em Curitiba, no início de maio.

No documento, a juíza explica a decisão dizendo que a materialidade dos crimes é evidente.

“No presente caso, verifica-se que a materialidade quanto ao crime de homicídio tentado está evidenciada tanto pelo boletim de ocorrência, quanto pelos laudos de lesões corporais das vítimas Matheus, Priscila e Eduardo. Com relação às demais vítimas, verifica-se que se trata de tentativa incruenta. No tocante ao crime de homicídio consumado, a materialidade do crime está evidenciada pelo laudo de necropsia da vítima André Muniz Fritoli”, justifica a juíza.

Os indícios de autoria do crime também estariam presentes.

“Os indícios de autoria quanto ao acusado também se encontram presentes, senão vejamos. Consta do vídeo, que, às 23:41:09, o acusado supostamente entra na loja de conveniências, e, às 23:42:34, inicia uma discussão com outras duas pessoas, tendo o desentendimento durado, ao menos, até às 23:43:30. Após, o acusado é retirado do local, mas retorna às 23:44:43, quando teria atirado nas pessoas que ali estavam”, continua a magistrada.

Ainda de acordo com a denúncia aceita pela Justiça, Massuia se utilizou de um veículo da administração pública (Polícia Federal) em proveito próprio e foi até o posto como passageiro de uma amiga após deixar uma casa noturna do bairro Água Verde.

Na Polícia Civil, Massuia havia sido indiciado por homicídio triplamente qualificado e quatro tentativas de homicídio. Em comum, as qualificadoras do motivo fútil, perigo comum e dificuldade de defesa da vítima.

Acusação

Em nota, assistência de acusação no caso diz que a família de André Muniz Fritoli tem esperança de que se fará justiça. Leia na íntegra:

“A Juíza de Direito Mychelle Pacheco Cintra Stadler, da Primeira Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, recebeu nesta terça-feira (24/5), a denúncia criminal contra Ronaldo Massuia Silva, por homicídio triplamente qualificado e por 7 tentativas de homicídios também triplamente qualificados, oferecida pelo Ministério Público.
No mesmo despacho de recebimento da denúncia, a Juíza manteve a prisão preventiva anteriormente decretada.

A família da vítima André Muniz Fritoli atuará como assistente do Ministério Público, na ação penal, na esperança de que se fará justiça.

É a nota.

Curitiba, 24 de maio de 2022

Advogados:

Elias Mattar Assad
Thaise Mattar Assad
Ygor Nasser Salah Salmen
Eduardo Antonio Perine
Edson Luiz Facchi Jr.
Maria Teresa dos Santos Vicari
Rogério Nicolau”

Defesa

A reportagem da Banda B entrou em contato com a defesa do acusado para uma posicionamento sobre a decisão. Em nota, a defesa esclarece que, após a notícia do recebimento da denúncia, irá aguardar a citação do acusado e se manifestar sobre as teses preliminares no processo.



Fonte: Banda B