Imagem mostra jovem de 20 anos durante procedimento estético horas antes de morrer

0
120


Um sorriso largo e de muita felicidade por realizar o sonho de fazer uma cirurgia plástica. Assim aparece Edisa de Jesus Soloni, de 20 anos, nas últimas fotos, ainda viva, antes de realizar três procedimentos estéticos e morrer horas depois, em Belo Horizonte (MG). A família da cabeleireira conseguiu registros da câmera de segurança, que estava dentro da sala de cirurgia da Clínica Belíssima Cirurgia Plástica, onde a mineira foi submetida a uma lipoescultura com enxertia (dois procedimentos em um só) e uma lipoescultura de papada, no dia 11 de setembro. Na foto, Edisa aparece deitada na maca, enquanto o médico faz a cirurgia.

Risco cirúrgico:Jovem de 20 anos morta após procedimento estético, em BH, tinha mancha no coração: ‘Não vamos nos calar’

Todas as imagens e documentos obtidos pela família foram entregues à 3ª Delegacia de Polícia Civil Sul de Minas Gerais, que investiga o caso. A prima da cabeleireira, Silvana Mota Pereira, questionou por que o médico Joshemar Fernandes Heringer, dono da clínica e que realizou a cirurgia plástica, retirou as imagens das redes sociais e até mesmo o site do estabelecimento do ar.

— Ela ficou linda, o procedimento ficou maravilhoso pelas fotos que vimos. Mas o que nos deixa chateada é saber que, depois que ela morreu, o médico retirou todas as fotos dela da página dele e do Instagram. Ele bloqueou o perfil da Edisa, porque tentamos entrar pelo celular dela, que temos acesso. Por que ele fez isso? Por que bloqueou? Ele fechou o perfil dele nas redes sociais para ninguém ver mais nada e não nos autorizou a entrar. Ele não quis conversar conosco, não quis explicar nada — diz Silvana.

Fiscalização: Clínica onde jovem de 20 anos morreu após procedimento estético será fiscalizada em BH

Edisa Solini, de 20 anos, sorridente antes de realizar os procedimentos estéticos. Ela morreu horas depois Foto: Arquivo Pessoal

A família tem recebido o apoio de outras pacientes que já foram atendidas pelo médico. Edisa escolheu o local após a indicação de uma amiga, que também realizou um procedimento lá. A cabeleireira pagou R$ 11.800 pela cirurgia, sendo que, deste valor, R$ 7 mil foram depositados cinco dias antes da cirurgia e o restante pago no dia.

A irmã da jovem, Samea Soloni, também planejava fazer a operação junto com a cabeleireira, mas desistiu antes mesmo da primeira consulta marcada para as duas, no dia 8 de agosto. Samea resolveu que não queria remarcar e esperou pelo resultado dos procedimentos de Edisa.

— A Edisa e a Samea tinham combinado de fazer juntas, tinham a consulta marcada com o médico, mas a Samea desistiu. Nem quis remarcar, disse que sentia que não era para fazer. Uma outra amiga da Edisa também tinha cirurgia marcada, mas não fez porque sofreu um acidente. É coisa de Deus mesmo. Era o sonho dela fazer as cirurgias, não adiantou falar. Ela iria realizar no ano passado, consegui tirar isso da cabeça dela. Uma menina tão nova, bonita, eu disse que faria um trabalho intensivo de massagem redutora, porque trabalho com isso. Mas o processo é mais lento, e os jovens querem tudo para ontem — conta Silvana.

Jovem tinha mancha no coração

Antes de realizar o procedimento, a cabeleireira realizar exames e os entregou para um cardiologista, que não permitiu a cirurgia, porque ela estava com uma infecção urinária. Curada e com novos exames em mãos, a mineira entregou a uma outra cardiologista que aprovou a realização do procedimento, mas com uma ressalva: a jovem tinha uma mancha no coração. Essa informação consta no risco cirúrgico, que foi entregue na clínica do dia da cirurgia e, agora, está nas mãos da Polícia Civil, que investiga o caso. O que causou estranheza para família foi que os exames foram devolvidos em uma pasta para Edisa, que foi acompanhada da irmã.

A cabeleireira Edisa de Jesus Soloni tinha apenas 20 anos e morreu por complicações após uma lipoescultura
A cabeleireira Edisa de Jesus Soloni tinha apenas 20 anos e morreu por complicações após uma lipoescultura Foto: Reprodução / Instagram

A prima de Edisa conta que já realizou uma cirurgia plástica e que o documento com o risco-cirúrgico permaneceu no prontuário da clínica.

— Quando ela passou na nova cardiologista, ela autorizou, mas escreveu no risco cirúrgico que ela tinha uma pequena mancha no coração. Isso não impede quaisquer tipo de cirurgia, mas exige que tudo seja feito em um hospital, que tenha estrutura e equipamentos de UTI, caso seja necessário, se houver algum problema. Ela entregou a pasta para secretária, que devolveu tudo, inclusive o documento do risco cirúrgico. Eles não poderiam devolver, isso fica com a clínica no prontuário. Foi a partir daí que comecei a desconfiar e a investigar a clínica — diz.



Fonte: Fonte: Jornal Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui