Homem que teria enterrado namorada no próprio quarto se apresenta

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Dois meses após o início das buscas pela Polícia Civil, Roberto Paulo de Souza se apresentou à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) nesta quarta-feira (29), em Curitiba. Ele é acusado pela morte de Antuélipa Cristina Bueno Leite, de 37 anos, crime ocorrido em maio de 2014. O corpo dela, porém, foi encontrado em agosto do ano passado, o que intensificou as investigações.

Roberto Paulo de Souza é acusado pela morte da namorada (Foto: Marcelo Borges – Banda B)

Segundo as investigações, Roberto teria planejado a morte de Antuélipa por ciúmes. O corpo da vítima foi encontrado em uma casa do bairro São João. A ossada estava enterrada embaixo do quarto em que o suspeito costumava dormir.

De acordo com a delegada Tathiana Guzella, Roberto atualmente mora com a esposa na cidade de Mogi das Cruzes, São Paulo, e decidiu se apresentar apenas após a Polícia Civil chegar muito perto da prisão.

“Ele matou a namorada por ciúmes e a prova cabal foi a ossada encontrada em um terreno onde o investigado morava com a mãe. Temos várias provas, incluindo um diário, escrito por ele a próprio punho, com informações sobre o crime e motivação”, disse a delegada.

Antuélipa desapareceu em 22 de maio de 2014, após sair do trabalho com o suspeito.

Suspeito nega

Na DHPP, Roberto falou brevemente com a Banda B e negou o crime.

“Eu estou sendo acusado de um crime ocorrido 8 anos atrás, mas não fui eu que cometi. Eu sabia dos ossos, mas não fui eu”, afirmou.

Antuélipa tinha 37 anos quando foi dada como desaparecida, em maio de 2014

O suspeito alega que o crime foi cometido pela mãe, que já está morta e faria 80 anos. “É um crime que aconteceu em maio de 2014. Meu cliente nega participação na morte, afirma que ele e a Antuélipa mantiveram um relacionamento de apenas três meses e que, no dia do crime, levou ela até a casa. Segundo ele, porém, quem matou foi a mãe. Roberto teria participação apenas na ocultação de cadáver”, garante.

Para a delegada, porém, a versão não convence. “Ele tenta se fazer de vítima e jogar o crime na própria genitora, é muita cara de pau”, lamenta Guzella.



Fonte: Banda B