Fisioterapeuta é condenado a mais de 16 anos de prisão por tentar matar ex-namorada no Batel

0
14


Após 13 horas de julgamento, fisioterapeuta paranaense Adriano Tiezerini, 40 anos, foi condenado a mais de 16 anos de prisão pelo Tribunal do Júri, em Curitiba, na noite desta quarta-feira (13). Ele era acusado de mandar matar a ex-namorada catarinense Andresa Mendes, 43 anos, por não aceitar o fim do relacionamento.

Na denúncia, o Ministério Público do Paraná enquadrou agravantes como motivo fútil e crime contra mulher, envolvendo violência doméstica e familiar. Adriano Tiezerini está preso no Complexo Médico Legal do Paraná – CMP, desde janeiro de 2021 por descumprir medidas restritivas, como sair sem autorização da comarca do Paraná. Antes da prisão, ele chegou a usar tornozeleira eletrônica.

“A vítima não tinha nenhum tipo de inimizade, ficou provado que ela não tinha nenhum tipo de problema. Ficou claramente demostrado que assalto foi uma mera simulação. Saímos satisfeitos, acreditamos que fizemos justiça pela Andresa”, disse a promotora justiça Roberta Franco Massa.

Foto: Divulgação.

O crime ocorreu no dia 29 de dezembro de 2018, em frente a uma farmácia no bairro Batel, em Curitiba. Segundo a investigação, Andresa Mendes, que é de Florianópolis, estava com uma amiga quando um homem jovem, de aproximadamente 24 anos, vestindo bermuda e camisa de time de futebol, se aproximou e efetuou seis disparos de revólver. Quatro disparos atingiram a vítima: um atravessou o braço direito e as outras três perfuraram o abdômen, atingindo vários órgãos.

Andresa foi socorrida e levada em estado grave ao Hospital do Trabalhador, onde ficou internada por 12 dias.

Relacionamento abusivo

Andresa conheceu Adriano na capital catarinense em 2012, em um evento de MMA que ele promovia. O relacionamento evoluiu rápido para namoro e, aos poucos, segundo a versão de Andresa, ele foi mostrando um mundo que não era real. Dizia ser proprietário de apartamento com vista para o mar e carro importado. A investigação, segundo os advogados da vítima, mostrou que, na verdade, nada estava em nome dele e ainda devia dinheiro para vários atletas. Ele teria ainda passado a controlar a vida de Andresa.

Outro lado

A Banda B deixa aberto o espaço para a manifestação da defesa de Adriano.





Fonte: Banda B