Família de grávida baleada na Maré juntava dinheiro para exame que descobriria sexo do bebê

0
44


A tragédia urbana do Rio de Janeiro fez ontem mais uma vítima absolutamente inocente. O bebê que Maiara Oliveira da Silva esperava não resistiu ao tiro que atingiu a gestante durante uma operação policial no Complexo da Maré, na Zona Norte da cidade, nesta terça-feira, dia 27. Agora a jovem de 20 anos luta pela vida, sem saber que o sonho da maternidade foi interrompido de maneira tão brutal. A ansiedade pela chegada do bebê era grande entre os parentes de Maiara, que contavam os dias para descobrir o sexo da criança e estavam se organizando para custear o exame, na virada do mês.

— Ela estava feliz da vida. Não só ela, como eu e a família toda. Meu netinho ia morar comigo — conta o conferente Alberon Sales da Silva, de 48 anos, pai de Maiara. — As primas dela estavam doidas pra saber se era menino ou menina e falaram que iriam pagar a ultra pra ela fazer o ultrassom na semana que vem. Não deu tempo.

Leia também:

Operação policial na Maré busca integrantes da maior facção criminosa do Rio

Apenas cinco municípios concentram oito em cada dez roubos no Estado do Rio este ano

‘Boa noite, Cinderela’ no Leblon: irmãos do pornô aplicam golpes no Rio

Atirador que matou motorista na Linha Amarela estava em carro avaliado em quase R$ 200 mil; polícia analisa câmeras

A expectativa pela chegada do novo membro da família, no entanto, virou luto e preocupação. Atingida na barriga, Maiara foi levada para o Hospital Evandro Freire, na Ilha do Governador. Segundo informações da Secretaria municipal de Saúde, Maiara Oliveira da Silva segue em estado grave no CTI.

— Ela está sedada, não sabe que o bebê morreu. Foi entubada e está respirando com ajuda de aparelhos, mas está respirando. Ela muito é forte — afirma o pai da jovem.

Policiais civis prestam socorro a Maiara logo após a jovem ser baleada Foto: Divulgação / Polícia Civil

Conflito de versões

A família de Maiara e a Polícia Civil apresentaram versões divergentes da sequência de acontecidmentos da tarde de terça-feira, quando a gestante foi baleada. Segundo Alberon Sales da Silva, pai da jovem, não havia confronto na Nova Holanda no momento em que a filha foi atingida. Ele também questionou o fato de a polícia não ter utilizado um veículo da corporação no socorro.

— Saí em desespero. Vi o táxi, que tinha acabado de deixar um passageiro, e pedi para o motorista ajudar.

Ao EXTRA, o coordenador da Core, delegado Fabricio Oliveira, explicou que após a operação, houve uma emboscada a policiais que se preparavam para deixar a comunidade. Ao saberem que uma moradora havia sido baleada, dois agentes prestaram socorro e depois acompanharam a vítima até o hospital. Segundo a polícia, um táxi auxiliou no socorro porque no local só havia blindados, que são veículos lentos, e a situação era urgente.



Fonte: Fonte: Jornal Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui