Ex-namorada dirigiu viatura da PF até posto e pediu ‘justiça’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A ex-namorada de Ronaldo Massuia Silva confirmou, em depoimento prestado nesta terça-feira (10), que buscou o policial federal em uma casa noturna do bairro Água Verde, em Curitiba, e o levou até o posto de combustíveis do Cristo Rei. Segundo ela, os dois mantém uma relação de amizade e, por conta do estado de embriaguez, Massuia teria a chamado para tirar a viatura da PF do local e fazer o deslocamento com segurança.

Reprodução

De acordo com o delegado Wallace de Oliveira Brito, a ex-namorada se mostra muito chocada com o ocorrido. “Ela mesma, informalmente, pede que a justiça seja feita e que ele pague pelo que fez”, comenta.

No depoimento, a ex-namorada diz que um funcionário entrou em contato com ela após um pedido de Massuia. Ela fez a direção, mas o policial federal teria pedido um lanche. Com a confusão, ele deixou uma pessoa morta e três feridas com os disparos de arma de fogo.

Brito cita que o inquérito está em fase de conclusão. “O inquérito está bastante robosto acerca da materialidade e autoria do crime. As imagens são nítidas e esclarecedoras”, diz.

A defesa de Massuia pede a reconstituição do caso, o que a delegacia não pretende no momento. Segundo o delegado da Polícia Civil, isso pode ocorrer posteriormente na fase processual.

Depoimento

No depoimento, que a Banda B teve acesso nesta terça-feira, a ex-namorada afirma que tentou acalmar Massuia “até o momento que não tinha mais o que fazer”. “Ele pediu para eu parar no posto, mas comentei que o estabelecimento estava muito cheio e não havia local para eu parar. Ele insistiu porque queria comer e, quando a gente parou, insisti para que ele ficasse. Então, desci, entrei na loja, peguei dois salgados e um refrigerante, e fui para a fila da loja. O sistema da loja de conveniências caiu e demorou para que fizesse o pagamento, neste meio tempo, o Ronaldo entrou na loja”, contou.

A Polícia Civil segue investigando o caso.





Fonte: Banda B