Ex-detento, falso advogado é suspeito de ser mentor de esquema de alvarás de soltura fraudados no Rio

0
33


O falso advogado Arlésio Luiz Pereira Santos, de 56 anos, preso nesta terça-feira, é apontado pela Polícia Civil do Rio como suspeito de ser o responsável por falsificar e fraudar diversos alvarás de soltura para presos que estavam cumprindo pena em cadeias do Rio. Para os investigadores, Arlésio, que já foi condenado por estelionato e formação de quadrilha, é o chefe da organização criminosa suspeita de envolvimento nas fraudes dos alvarás de soltura e mentor do esquema.

A polícia acredita que o falso advogado tenha montado o esquema após ter feito trabalhos administrativos enquanto estava preso. Ao realizar as funções, ele teria notado fragilidades na libertação dos detentos. Arlésio, condenado a mais de 13 anos de cadeia, ficou atrás das grades de maio de 2017 e dezembro de 2019, quando conseguiu o benefício da prisão albergue domiciliar. Em setembro do ano passado, ele obteve livramento condicional.

Espancamento: Lutador é acusado de espancar morador de rua até a morte em Petrópolis; Veja vídeo

Arlésio era defendido pela Defensoria Pública do estado do Rio ao menos até dezembro de 2019. Já em maio do ano passado, passou a ser representado pela advogada Débora Albernaz de Souza, também presa nesta terça-feira, suspeita de integrar a quadrilha que seria comandada por Arlésio. Além de Débora, também foi presa a advogada Angélica Coutinho Rodrigues Malaquias. A polícia vai investigar como Arlésio conhece as duas advogadas e se o grupo atuou para soltar outros presos cm alvarás falsos.

— É difícil dizer se outras pessoas saíram ou não — diz o secretário da Secretaria de Administração Penitenciária do Rio, Raphael Montenegro.

Montador morto: ‘Ele não era bandido! Era meu filho! Só tinha ele’, diz mãe de vítima de ação no Morro dos Macacos após enterro

Os investigadores também vão apurar se Arlésio usava uma carteira falsa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Distrito Federal. No processo de um dos presos liberados por alvará de soltura falso – João Victor Silva Roza -, Arlésio foi habilitado como advogado em 26 de julho do ano passado, junto com Debora Albernaz. Na procuração, Arlésio alegou ter um número de OAB do Distrito Federal que não existe.

Procuração que o falso advogado tinha para entrar nos presídios Foto: Reprodução



Fonte: Fonte: Jornal Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui