Ex-Botafogo vai para a delegacia por suposto envolvimento com tráfico

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

O atacante Jobson, do Botafogo, foi levado para a delegacia de Angra dos Reis (166ª DP) após se envolver em mais uma polêmica envolvendo drogas. Desta vez, o atleta foi levado à unidade policial por suspeita de envolvimento em tráfico de drogas. O caso aconteceu nesta quinta-feira (5), na região da Japuiba, durante uma ação da Polícia Militar, que investigava uma denúncia.

Durante a revista de uma casa na região, a Polícia Militar encontrou 16 trouxas de maconha e 12 pinos contendo pó branco. A polícia ligou Jobson à investigação por conta de conversa por aplicativo de mensagens entre um dos homens que estava no imóvel e o ex-jogador do Botafogo.

Chegando na região, Jobson foi  abordado pelos policiais e encaminhado até a 166ª DP, mas foi liberado. O atleta não estava com drogas ou arma, como suspeitava a polícia. Outras duas pessoas foram presas na operação policial.

Desde quando começou a carreira no Brasiliense, em 2009, Jobson esteve envolvido em problemas do tipo. Depois do Brasiliense, ele passou pelo  Botafogo, Atlético-MG, Bahia, Grêmio Barueri, São Caetano e Al-Ittihad, da Arábia Saudita. Nesse período, se envolveu em polêmicas por uso de drogas.

Ele foi suspenso pela Fifa em 2015, ficando impedido de fazer qualquer atividade relacionada ao futebol até o fim de março de 2018. A suspensão se deu após o Al-Itihad acusar Jobson de se recusar a fazer o exame antidoping. Depois, a Fifa validou a suspensão para âmbito mundial.

Enquanto esteve suspenso, ele se envolveu em um caso de estupro de vulneráveis. Desde então, ele foi preso três vezes. A primeira em junho de 2016, quando foi decretado um mandado de prisão preventiva contra ele pela Justiça de Conceição do Araguaia, no interior do Pará. Na ocasião, uma das adolescentes que diz ter sido abusada por ele contou que procurou a polícia após uma foto dela parar em um grupo de mensagens. O atacante negou as acusações.

Em junho de 2017, ele foi preso pela segunda vez. Na ocasião, ele se envolveu em um acidente de trânsito que acabou causando a morte de um homem. Na época, ele estava liberdade condicional e voltou para a cadeia por ter saído da comarca sem autorização. Após mais de dois meses, ele pagou fiança e foi liberado.

A terceira prisão aconteceu em 29 de setembro do mesmo ano. O motivo era que ele voltou a sair do limite estabelecido pela Justiça ao viajar para o Pará. A Justiça ficou sabendo da ‘saidinha’ por conta da tornozeleira eletrônica de Jobson.

Ele voltou ao Brasiliense em 2019, onde ficou pouco tempo por problemas internos. Em 2020 seguiu para o Portuguesa, onde ficou pouco tempo, já que ficou apenas 45 minutos em campo desde que foi contratado, mesmo após ter sido a principal contratação da temporada.

Depois, ele seguiu para o Independente-PA, onde ficou por apenas duas partidas. Ele ficou por volta de duas semanas no clube e foi dispensado por indisciplina depois de um vídeo dele bebendo em um karaokê na cidade de Tucuruí, interior do Pará, viralizar na internet.

O motivo da demissão é que ele foi para o bar e karaokê logo após uma partida pelo Campeonato Paraense em que o time saiu derrotado, onde ele perdeu um pênalti e foi expulso.

Atualmente, ele joga pelo Sport Lagoa Seca, que disputa o Campeonato Paraibano. Ele fez cinco partidas e não marcou nenhum gol.

Fonte: O São Gonçalo