‘Eu quero justiça e que isso não aconteça com mais ninguém’, diz mãe de jovem morto na Barreira do Vasco

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Neste domingo de Dia das Mães, Bianca Limão vive a dor de sepultar um filho, o jovem Ruan do Nascimento, de 26 anos, morto por um tiro nas costas na Barreira do Vasco na última sexta-feira (8). Com uma camisa com a foto dos netos e dos filhos, inclusive do rapaz, ela lamentou não poder comemorar a data e pediu por justiça pela morte de Ruan. A família diz que o disparo partiu de policiais militares que estavam descaracterizados.

— Eu, no dia de hoje, quero desejar um Dia das Mães perfeito pra todas com muita honra e glória e louvor pra todas, já que me tiraram esse direito de hoje estar comemorando este dia. Não é 100% quando a gente perde uma mãe e piorou agora que a gente perdeu um filho — disse Bianca.

Mais um caso de violência: ‘Só Deus para me dar forças, porque não sei se vou aguentar’, afirma mãe de jovem morto na Barreira do Vasco

Neste domingo, o velório começou às 9h e o sepultamento está marcado para as 14h no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju. O jovem morreu ao ser atingido por um tiro. A PM informou que abriu um procedimento interno para apurar as circunstâncias da morte. Segundo moradores, policiais entraram na comunidade à paisana, num carro descaracterizado da cor vermelha, e fizeram os disparos. Nesse momento, houve correria e o jovem, que tinha deficiência intelectual, foi ferido.

Jovem com deficiência intelectual é morto na Barreira do Vasco

— Não tem como trazer ele de volta, mas pelo menos a justiça. Eu sei que hoje eu estou chorando, mas muitas mães também estão chorando por esse mesmo motivo. Então eu quero justiça e que isso não aconteça com mais ninguém. Não desejo isso para ninguém. Espero que façam um bom trabalho e que coloquem os verdadeiros culpados atrás das grades. É isso que eu quero. Todos eles presos. Não quero dinheiro, não quero fama. Não quero nada. Tenho certeza que dinheiro nenhum vai pagar a vida do meu filho. Não vai me trazer de volta. Eu não quero um “cala a boca”. Eu quero é justiça — cobrou a mãe de Ruan.

Bianca disse que na última vez em que estiveram juntos, o rapaz disse que precisava cortar o cabelo para comemorar o dia de hoje com ela:

— A última vez que eu estive com ele, eu falei: “vamos pro Lins, vai ficar aqui fazendo o quê?”. E ele disse: “amanhã eu tenho que ir no salão, mãe, porque tenho que cortar o cabelo, ficar bonito pro teu dia, pro Dia das Mães”. Eu falei: “e tu vai me dar o que?”. Ele disse: “eu” — lembra.

Segundo a família, o jovem, que tinha deficiência intelectual, faria 27 anos no próximo dia 19. De acordo com Renan Limão, irmão de Ruan, ele tinha dificuldade para falar.

— Meu irmão era maravilhoso. Nunca fez mal a ninguém. É um sentimento de tristeza junto com revolta. Ele não fazia nada de errado. Falaram que ele estava com uma granada e um radinho. O garoto nem falava. O apelido dele é “I”, porque basicamente 90% da fala dele era “I”. O apelido dele em toda a comunidade, todo mundo conhecia ele como “I”, porque era isso o que ele falava. A gente entendia porque conviveu com ele a vida toda, mas pra qualquer outra pessoa que ele tentasse falar alguma coisa, a pessoa não ia entender. Basicamente não falava — afirmou Renan.

Sem operação no momento dos disparos

Na saída do Instituo Médico-Legal (IML) no sábado, Renan, falou sobre o irmão Ruan, uma pessoa alegre e querida por todos na comunidade:

— Ele conhecia todo mundo. Se você for lá agora e perguntar por ele, todo mundo vai saber, porque era um tipo de pessoa que brincava e falava com todo mundo. Se você for ver vídeos dele, era só dançando. Ele gostava muito de dançar e zoar. Era uma pessoa tranquila. Ele gostava de ir ao estádio e entrava sem pagar, porque as pessoas gostavam dele e botavam ele lá dentro. Agora, falar que ele estava armado e deu tiro na polícia é mentira.

A Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ estava no IML para entender as circunstâncias do caso e prestar assistência à família. Procuradora do órgão, Mariana Rodrigues disse que a instituição irá acompanhar a família no que precisar, inclusive nos depoimentos da Delegacia de Homicídios da Capital, que investiga o caso.

A Secretaria de Estado de Polícia Militar informou que policiais militares do 4ºBPM (São Cristóvão) relataram terem ido verificar local de comercialização ilegal de cobre na localidade do Café, próximo à comunidade Barreira do Vasco, em São Cristóvão, na noite desta sexta-feira, 6, onde ocorreu confronto durante a checagem.

A corporação disse que, após a situação se acalmar, houve apreensão de uma granada, um rádio comunicador e 240 papelotes de crack. Afirmou, ainda, que um homem ferido foi encontrado e socorrido ao Hospital Municipal Souza Aguiar.

Um procedimento apuratório interno, acrescenta a PM, foi instaurado.

A ocorrência será investigada pela Delegacia de Homicídios da Capital, que informou que os policiais militares foram ouvidos e tiveram as armas recolhidas para perícia. E acrescentou que diligências estão em andamento para esclarecer todos os fatos.



Fonte: Fonte: Jornal Extra