Delegada é alvo de mandado de busca e apreensão em operação contra a maior milícia do Estado do Rio

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A delegada que é alvo de mandado de busca e apreensão em operação do Ministério Público do Rio (MPRJ) e a Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco-IE) é Ana Lúcia da Costa Barros, adjunta da 34ª DP (Bangu). Ela é casada com o policial penal André Guedes Benício Batalha, conhecido como Gue. Ele está entre os presos nesta manhã. A senha da delegada foi usada para acessar a placa de uma pessoa a pedido de um miliciano. Não se sabe se foi ela ou outra pessoa que buscou a informação. A investigação está em andamento.

Como foi a busca: Veja a cronologia da caçada ao miliciano Ecko, morto em ação da Polícia Civil

Saiba quem era Ecko, o cabeça da maior milícia no Rio de Janeiro

Todos têm que pagar: Contabilidade revela que milícia cobra taxas de manicure, brechó e até por venda de caldo de cana

A delegada Ana Lúcia Costa Barros Foto: Reprodução

Ana Lúcia já foi titular da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) do Centro do Rio. A policial costumava dar orientações para mulheres vítimas de agressões físicas. Uma prisão importante de Ana Lúcia foi a do sargento do Exército Clodoaldo Oliveira da Silva Clementino, de 42 anos, que matou a paulada o aposentado Luiz Antunes Moço, de 60, em Bangu, no começo do ano.

A operação visa a 10 mandados de prisão preventiva e 11 de de busca e apreensão contra agentes públicos ligados à maior milícia do estado. Os alvos de mandados de prisão são três policiais militares, seis agentes da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e um miliciano. A ação foi intitulada Heron. A organização criminosa já foi chefiada por Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto em confronto com a Polícia Civil em 12 de junho de 2021, na comunidade Três Pontes, em Paciência, Zona Oeste do Rio, e hoje é comandada por seu irmão Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital. Seis pessoas foram presas.

Bíblia na mão e pedidos por sangue de rivais: vereador de Nilópolis preso fez consultoria sobre operações da milícia com Ecko

Segundo a investigação, os agentes públicos eram responsáveis pelo repasse de informações privilegiadas aos integrantes da organização criminosa, “sobre segurança pública, posicionamento de viaturas e investigações em andamento”, diz o Ministério Público. Além de repassarem informações sobre grupos rivais, facilitavam a movimentação dos “bondes”, comboios para atividades criminosas, e até escoltavam, com viaturas oficiais, foragidos da Justiça.

Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho, é empresário e irmão de Ecko, líder da milícia
Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho, é empresário e irmão de Ecko, líder da milícia Foto: Divulgação

De acordo com a Draco, os servidores tinham contato direto com homens de Zinho. O paramilitar é foragido da Justiça e hoje explora toda a Zona Oeste do Rio. A investigação começou com apreensão de um telefone celular, realizada durante uma ação em 27 de abril de 2021, na casa de Francisco Anderson da Silva Costa, o Garça.

Ligação com traficantes: Vereador de Nilópolis preso pela PF por comandar milícia fez aliança com tráfico de drogas para expandir domínio

Segundo os investigadores, Garça era um dos principais homens de confiança de Ecko e, de acordo com as investigações, era responsável pela contabilidade dos valores da quadrilha, tanto os provenientes das extorsões e taxas, quanto o pagamento de propina a agentes de segurança. Na operação de um ano atrás, o miliciano conseguiu fugir, mas deixou o aparelho, do qual a polícia obteve detalhes do grupo paramilitar. A Polícia Civil acredita que Garça tenha sido morto a mando de Ecko, em virtude de uma divergência na quadrilha.

Na denúncia, o promotor de justiça André Luis Cardoso destaca que era preciso pedir um mandado de busca e apreensão para a residência da delegada Ana Lúcia, após os investigadores encontrarem uma mensagem no celular do miliciano Garça. Em trecho do pedido ele explicou:

“Pretende a autoridade policial apreender demais elementos de convicção com a medida cautelar, principalmente telefones celulares, anotações, armas de fogo, havendo a possibilidade de apreensão de dinheiro em espécie oriundo da atividade miliciana. Essa prova é essencial para a demonstração do vínculo associativo dos investigados, robustecendo o farto material acostado aos autos, com a possibilidade de trazer para a investigação elementos que apontem outros agentes públicos nessas atividades”.

Das redes sociais: Presa com quase R$ 1,8 milhão, delegada Adriana Belém cita ganhos com Instagram e pede liberdade

Cardoso continua:

“Enfatiza o Ministério Público que a busca e apreensão dos objetos acima descritos, ainda, possibilitará colher prova de esquemas de corrupção e extorsão, praticados por agentes públicos, no âmbito da atividade de milícia que ora se investiga. Ainda, o repasse de informações privilegiadas de segurança pública, posicionamento de viaturas, investigações em andamento, corrupção e pagamentos entre milicianos e serventuários do sistema prisional, ou seja, tudo relacionado às atividades desenvolvidas pelos agentes públicos.

Uma forte evidência é a conversa entre Garça e o policial penal Guedes sobre a movimentação de viaturas da Polícia Civil. “Guedes utiliza a senha e os acessos de sua esposa, a Delegada de Polícia Civil Ana Lucia, para ingressar na intranet da Secretaria de Estado da Polícia Civil”, diz a denúncia.

‘Aberração da natureza’: ‘Você não é o machão, Rodrigo Amorim?’, indaga vereadora trans que vai processar deputado que a atacou na Alerj

Provas compartilhadas: Investigação sobre morte de Marielle ajudou MP em operação contra Ronnie Lessa e Rogério Andrade

Preso pelo MP: delegado Marcos Cipriano é conselheiro da agência de Energia do Rio

André Luis Cardoso destacou ainda que: “se iniciado o processo criminal, sem a vinda desses elementos aos autos, e certamente os indiciados não os trarão espontaneamente, a busca e apreensão é a medida adequada para a preservação da prova”.

E o promotor completou: “há elementos seguros para o deferimento da medida contra a Delegada de Polícia Civil Ana Lucia, considerando que todos os acessos aos bancos de dados são realizados por meio de sua senha. Nesse sentido, é essencial o cumprimento da medida de busca, sendo certo que a intimação da delegada para esclarecimentos, neste momento, poderia frustrar a colheita de elementos sensíveis à persecução criminal”.

Os policiais militares presos nesta sexta são o tenente Matheus Henrique Dias de França, o Franc, à época lotado no 41º BPM (Irajá); o capitão Pedro Augusto Nunes Barbosa, o Nun, lotado na Diretoria de Transporte da PM. Já o sargento Leonardo Corrêa de Oliveira, o sargento Oliveira, lotado no 18º BPM (Jacarepaguá) está foragido. Os policiais penais presos são André Guedes Benício Batalha, o Gue; Ismael de Farias Santos; Alcimar Badaró Jacques, o Badá; e Wesley José dos Santos, o Seap. São procurados os agentes Edson da Silva Souza, o amigo S; e Carlos Eduardo Feitosa de Souza, o Feitosa ou Feio.

Fonte: Fonte: Jornal Extra