Defesa diz que homem baleado em briga por fezes de cachorro perdeu movimento da perna e pede responsabilização

0
22


A defesa do homem baleado durante a suposta briga por fezes de cachorro na Praça do Paraná Clube, na Vila Guaíra, em Curitiba, perdeu o movimento de uma das pernas. A informação foi divulgada pelo advogado da vítima, Igor José Ogar, na tarde desta terça-feira (27). Diante da situação, ele pede que o policial federal aposentado envolvido seja responsabilizado por tentativa de homicídio.

Praça do Paraná Clube local onde aconteceu o crime. Foto: Djalma Malaquias/ Banda B

Segundo a Guarda Municipal, a discussão aconteceu na tarde do último domingo (25), na Rua São Paulo. À Banda B, o policial federal aposentado Fábio Azevedo disse que pediu para o homem atingido limpar as fezes do cachorro e acabou agredido em seguida. Na reação, Fábio teria atingido um disparo de arma de fogo no dono do animal.

Para Ogar, a reação foi desproporcional. “Nós da defesa entendemos que ele [Fábio] praticou alguns crimes, como ameaça, crimes contra a honra e principalmente uma tentativa de homicídio, uma vez que atira no meu cliente pelas costas e atinge mão e perna. Estamos aguardando a realização de laudo pelo IML (Instituto Médico Legal), para apurar se a lesão é de natureza grave ou gravíssima, mas já posso adiantar que ele perdeu o movimento de um das pernas e a sensibilidade”, afirma o advogado.

O homem atingido pelo disparo está em casa, mas, segundo a defesa, já precisou retornar mais de uma vez ao hospital. Ele segue com um projétil alojado no corpo.

Legítima Defesa

Ainda no domingo, Fábio Azevedo alegou legítima defesa em entrevista à Banda B. “Reagi a uma agressão injusta. Quando acabaram todos os argumentos, eu estava sentado e ele estava em pé, junto com a Guarda Municipal. Ele me deu chute no rosto, pegou no queixo e no meu rosto. Quando eu estava caindo, eu peguei a arma e dei um tiro nele. Não atirei nele por conta das fezes, atirei nele porque recebi um chute na cara”, descreveu.

Ogar, porém, questiona a versão. “Eu acho que o ato dele é muito mais reprovável que um cachorro defecar na grama”, concluiu.

A Polícia Civil já abriu inquérito para apurar as circunstâncias da briga e investiga o caso.





Fonte: Banda B