Advogado e famoso DJ da cena nacional e internacional são presos suspeitos de tráfico de drogas

0
12


Um advogado e um famoso DJ, que fez muito sucesso nacional e internacionalmente, foram presos suspeitos de tráfico de drogas, no fim da noite desta sexta-feira (3), em Curitiba. Eles foram anonimamente denunciados e na residência de cada um deles foi encontrada grande quantidade de maconha pronta para uso e plantação da erva.

Foto: Divulgação.

Um usuário de maconha, flagrado após comprar a droga com um dos suspeitos, também foi preso e encaminhado para a delegacia. O trio foi levado para a Central de Flagrantes pela Polícia Militar (PM).

As abordagens aconteceram após uma denúncia anônima, revelou o tenente Gutierrez, do 12° Batalhão da Polícia Militar, para a reportagem da Banda B. O advogado e o DJ foram delatados enquanto a PM atendia a uma outra ocorrência, de furtos a residências, na Rua Curupis, no bairro Santa Quitéria, e colhia informações sobre a situação com moradores da região.

“Uma dessas pessoas trouxe a informação anônima de uma pessoa suspeita em uma das casas, que sabia que tinha tráfico ali, e que também havia tráfico na Rua Fagundes Varela, no Jardim Social”

relatou o tenente.

Ao se dirigir ao primeiro endereço, no Santa Quitéria, a polícia realizou a abordagem de um rapaz, do lado de fora da casa. Segundo Gutierrez, foi encontrada certa quantidade de droga em um dos bolsos dele. Nervoso, ele contou para a polícia que comprou a droga na residência denunciada.

“Dentro da casa [do advogado], encontramos dez quilos de maconha e pacotes de murruga (flor de maconha)”, contou o tenente da PM.

Na residência do DJ, no Jardim Social, a polícia comprovou a existência de uma plantação de maconha. “Fomos até a residência e já no portão sentimos o cheiro forte. Encontramos cinco estufas de maconha embaixo da casa.”

Ao serem abordados e presos, os suspeitos afirmaram que a droga era para uso pessoal. “Normalmente eles negam o tráfico, mas toda a estrutura que tinha lá dentro, não tem como justificar que é para uso pessoal”, observou Gutierrez.

Na Central de Flagrantes, o DJ disse para a polícia que estaria em situação difícil, possivelmente por conta da falta de trabalho durante a pandemia, para justificar a presença da droga na casa dele, contou o tenente Gutierrez. “Deu a entender que tinha optado por essa vida por causa da dificuldade que passou. Mas, independente disso, crime é crime, e ele vai ficar preso.”

A Polícia Civil vai investigar os dois casos e se eles têm alguma relação, considerando que foram denunciados por um único informante.





Fonte: Banda B