'Tragédia injustificável', diz Lula sobre ataque a hospital em Gaza que deixou centenas de mortos



Israel credita explosão à Irmandade Muçulmana, aliada do Hamas; palestinos atribuem caso a Israel. Ataque deixou pelo menos 471 palestinos mortos, segundo autoridades locais. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou como “tragédia injustificável” o ataque a um hospital na cidade de Gaza, no norte da Faixa de Gaza, que deixou centenas de mortos entre pacientes, profissionais de saúde e voluntários nesta terça-feira (17).
Em mensagem publicada nesta quarta, Lula reiterou o apelo para que o confronto entre Israel e o grupo terrorista Hamas, que controla o território de Gaza, não faça mais vítimas entre a população civil.
“O ataque ao Hospital Baptista Al-Ahli é uma tragédia injustificável. Guerras não fazem nenhum sentido. Vidas perdidas para sempre. Hospitais, casas, escolas, construídas com tanto sacrifício destruídas em instantes. Refaço este apelo. Os inocentes não podem pagar pela insanidade da guerra”, escreveu.
O ataque ao hospital Ahli Arab deixou 471 palestinos mortos, segundo dado divulgado pelo Ministério da Saúde da Palestina nesta quarta.
Autoridades israelenses e palestinas trocaram acusações sobre quem teria sido o responsável pela explosão do hospital. Veja abaixo a repercussão do ataque:
Tragédia no hospital na Faixa de Gaza repercute pelo mundo
O conflito na região teve início após o Hamas realizar um ataque terrorista em Israel, que, desde então, realiza uma ofensiva militar contra Gaza.
Lula dedicou os últimos dias a conversas com autoridades de outros países a fim de liberar um corredor humanitário entre Gaza e o Egito. Até o momento, a passagem não foi liberada.



G1 Mundo