Teatro Bolshoi é rejeitado pelo Ocidente devido à campanha militar russa e busca apoio na China


Assim como o governo russo, o Teatro Bolshoi, sede de duas das maiores companhias de ópera e balé do mundo, está sendo rejeitado pelo Ocidente por causa da campanha militar de Moscou na Ucrânia e se voltando para a China.

O diretor do Bolshoi, Vladimir Urin, disse em entrevista coletiva em Moscou, para anunciar a programação de 2023 e 2024, que estava triste com a perda do que havia sido uma cooperação criativa regular com companhias e artistas de teatro ocidentais.

“Estou profundamente convencido… de que apenas a cultura e a arte podem realmente ajudar as nações a se entenderem”, disse ele. “Mesmo no tipo de situação complicada e difícil que temos no mundo agora.”

O balé Bolshoi já está programado para ir à China em julho e Urin afirmou que discussões detalhadas estão em andamento sobre o balé e a ópera em 2024.

Mas ele disse que as razões para isso não são financeiras e que é um mito que as turnês no exterior gerem uma receita significativa.

“É mais uma questão de imagem, de partilhar as coisas que sabemos fazer… é uma questão de criatividade, mais do que tudo.”

Esta temporada ainda reserva a estreia da ópera Luisa Miller, de Verdi, com o tenor italiano Antonio Poli, de 37 anos, que não hesita em se apresentar na Rússia, mesmo que isso signifique voar pela Turquia por causa das sanções ocidentais.

“Muitos, muitos cantores italianos e internacionais vêm aqui”, disse ele. “Pela primeira vez, devo dizer que é realmente um lugar maravilhoso para ensaiar e cantar.”

O balé também viajará para a capital de Belarus, Minsk, em novembro, e para Omã, em janeiro.



CNN Brasil