Secretário da Defesa Civil fala dos prejuízos econômicos e sociais após chuvas em Alagoas

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


51 cidades ainda estão em situação de emergência no Estado e 56 mil pessoas seguem desabrigadas ou desalojadas

Reprodução / Twitter @npomvttAlagamentos em Alagoas
Segundo o Lucas Alves, as demandas dos municípios alagoanos são variadas e vão desde recursos financeiros até apoio aéreo para socorro das vítimas

Quase 56 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas em Alagoas após as fortes chuvas que atingem o Estado desde a última sexta-feira, 1. Segundo o boletim da Defesa Civil do Estado divulgado nesta segunda, 4, já foram seis mortes confirmadas. 51 cidades ainda estão em situação de emergência. Em entrevista à Jovem Pan News, o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, deu detalhes dos esforços do Governo Federal para socorrer as vítimas. Inicialmente ele esclareceu que as chuvas são comuns na região nesta época do ano e explicou a situação: “O que está acontecendo é uma chuva muito forte e muito concentrada, principalmente, nas bacias dos principais rios do Estado”.

“As cidades ao longo desses rios e algumas outras têm sofrido muito e, logicamente, com muitos danos humanos, materiais e prejuízos econômicos e sociais”, descreveu. O secretário transferiu seu gabinete para o Estado de Alagoas a fim de atender a população de perto e se comunicar com representantes dos municípios afetados e organizar as ajudas do governo e Forças Armadas.

“Estamos trabalhando dentro de um quartel do Exército Brasileiro em um posto de comando onde temos recebido os municípios aqui para captar essas necessidades e estamos socializando essas demandas com os demais órgãos do Governo Federal para um atendimento imediato. O momento agora é de resgate e socorro das pessoas, abrigamento e alimentação, que é a situação mais urgente no momento”, relatou.

Segundo o Lucas Alves, as demandas dos municípios alagoanos são variadas e vão desde recursos financeiros até apoio aéreo para socorro das vítimas: “Ainda tem pessoas ilhadas que precisam de apoio das aeronaves e isso está sendo feito em conjunto com o Estado, que também tem disponibilizado aeronaves. Outros estão aqui pedindo recursos para conserto dos danos e alguns estão priorizando, como as águas ainda estão altas, recursos para abrigamento e para alimentação das pessoas afetadas”.

O secretário alertou para a realização de campanhas das unidades da Defesa Civil em cada município durante o período de chuvas: “O sistema municipal de Defesa Civil é aquele que está no território e tem condição de colocar para as pessoas o treinamento de alta proteção e proteção comunitária para evitar, principalmente, as mortes”. É importante que a população que vive em áreas de risco fique atenta aos alertas emitidos pela Defesa Civil. Para receber as notificações, basta que o cidadão envie um SMS para o número 40199 com o CEP da sua residência.





Jovem Pan