Polícia conclui que assassinato de 10 pessoas da mesma família do DF foi motivado por chácara de R$ 2 milhões


Investigações resultaram na prisão de 5 suspeitos pela chacina e as autoridades ainda trabalham com a hipótese de que os investigados também queriam R$ 200 mil obtidos por uma das vítimas com a venda de uma casa

Videografismo/Jovem Pan NewsFamília desaparecida no Distrito Federal
Árvore genealógica da família envolvida em crime bárbaro no Distrito Federal

De acordo com as informações divulgadas pela Polícia Civil do Distrito Federal, nesta sexta-feira, 27, os assassinatos de 10 pessoas da mesma família, entre elas três crianças, foram motivados por uma chácara com o valor de R$ 2 milhões. As investigações sobre o caso começaram no dia 12 de janeiro, com o desaparecimento de Elizamar da Silva e seus três filhos pequenos. Gideon Batista de Menezes, Horácio Carlos Ferreira Barbosa, Fabrício Silva Canhedo, Carlomam dos Santos Nogueira e Carlos Henrique Alves da Silva, estão presos pela suspeita de terem cometido os assassinatos, considerados a maior chacina da história do DF. Os corpos foram achados carbonizados e esquartejados em Cristalina, interior de Goiás, no Distrito Federal e no município de Unaí, em Minas Gerais.

As investigações apontam que os suspeitos resolveram matar toda a família para tomar posse da chácara sem disputas com herdeiros. As autoridades ainda trabalham com a hipótese de que os suspeitos também queriam R$ 200 mil que foram obtidos por Cláudia Regina com a venda de uma casa. Em coletiva de imprensa, o delegado Ricardo Viana, titular da 6ª Delegacia de Polícia do DF, também responsável pelas investigações da chacina, explicou a cronologia do crime. Segundo ele, as vítimas foram atingidas por faca, mas cada uma delas com um padrão diferente.

“Se não tivéssemos indícios de autoria, teríamos uma dificuldade imensa. Cada vítima foi morta com padrões diferentes de violência e isso dificultaria bastante as ações”, afirmou. Com o fim das investigações e a prisão dos suspeitos, a Polícia Civil deve concluir o inquérito e encaminhar o caso para o Ministério Público, que poderá oferecer denúncia à Justiça para que os investigados sejam julgados. A polícia trabalha com várias tipificações para os crimes cometidos, entre eles: ocultação de cadáver; homicídio qualificado por motivo fútil, torpe e por meio aplicado; extorsão mediante sequestro, com resultado morte; latrocínio (roubo seguido de morte); corrupção de menores; e associação criminosa. Somadas, as penas podem variar de 190 a 340 anos de prisão.

Cronologia da chacina

A primeira ação do grupo criminoso aconteceu em 28 de dezembro, quando três vítimas – Marcos Antônio Lopes de Oliveira, Renata Juliene Belchior e Gabriela Belchior – foram rendidos na chácara que moravam por Carlomam dos Santos Nogueira e o adolescente de 17 anos, ambos suspeitos. A dupla teve acesso ao local com o apoio de Gideon Batista de Menezes. Horácio Carlos Ferreira Barbosa, que também integra os suspeitos de participação na chacina, se fingiu de vítima. Marcos Antônio foi atingido por um disparo na nuca. Ele foi enrolado em um tapete e levado dentro do carro de Gideon até o cativeiro, onde foi esquartejado e enterrado. Renata e Gabriela foram vendadas, amordaçadas e também colocadas em cativeiro, sendo vigiadas por Fabrício Silva Canhedo.

Em 4 de janeiro, Cláudia Regina Marques de Oliveira, ex-mulher de Marcos Antônio, e Ana Beatriz Marques de Oliveira foram rendidas em casa por Carloman, com a ajuda de Gideon, Horácio e Fabrício, em uma nova simulação de assalto. Elas também foram levadas para o cativeiro. Em 12 de janeiro, Thiago Gabriel Belchior, marido de Elizamar e filho de Marcos Antônio, começou a questionar Gideon e Horácio sobre o paradeiro do pai, o que levou a dupla a sequestrar Thiago e o restante da família. O jovem foi atraído ao local por uma mensagem enviada pelo celular do pai, que pedia a presença da família na chácara.

Com a ajuda de Carlos Henrique Alves da Silva, conhecido como Galego, o grupo simulou um novo assalto na chácara da família, novamente com Horácio e Gideon se passando também de vítimas. Thiago foi amarrado, com os pés atados e levado para o cativeiro, enquanto Elizamar e os três filhos do casal foram colocados dentro do carro da cabeleireira e levados para a região de Cristalina, em Goiás. O veículo foi queimado no dia seguinte, com a família dentro.

No dia 14 de janeiro, os envolvidos levaram Renata e Gabriela de carro a Unaí, em Minas Gerais, e também queimaram o veículo com as duas dentro. Um dia depois, em 15 de janeiro, Carlomam e Horácio mataram Thiago, Cláudia e Ana. Os corpos foram colocados em uma cisterna. “Estávamos trabalhando com a hipótese de que era uma chacina por questões econômicas. Desde o início colocávamos essa situação. Chegamos a três razões que eles praticaram: a chácara, a venda do lote e o direito das contas”, disse o delegado Ricardo Viana.





Jovem Pan