Laudo aponta que Bruno Krupp não freou antes de matar adolescente


Advogados do modelo alegam que a perícia é questionável e que o local do atropelamento não foi devidamente preservado

Divulgação/ FBX AssessoriaBruno Krupp
Defesa do modelo tenta questionar a perícia feita pela Polícia Técnica do Rio de Janeiro

Defesa do modelo Bruno Krupp, que atropelou e provocou a morte do adolescente João Gabriel Guimarães, de 16 anos, no Rio de Janeiro, contesta o laudo da perícia realizada na motocicleta do influenciador digital. O laudo policial da Polícia Técnica apontou que Krupp não freou antes do acidente e que aparentemente estava em alta velocidade. De acordo com o documento, no local do atropelamento havia boa iluminação e boa visibilidade. Na pista da orla da Barra da Tijuca não foram encontradas marcas de frenagem no asfalto, sinal de que Krupp não tentou evitar o acidente. O laudo apontou ainda que os pneus da moto estavam em bom estado e os equipamentos em pleno funcionamento, inclusive os freios. A defesa chegou a alegar que o veículo teve uma pane antes do acidente, que ocorreu no fim do mês de julho. Agora, os advogados de Krupp alegam que a perícia é questionável e que o local do atropelamento não foi devidamente preservado, pois a perícia só aconteceu muito depois do acidente. O modelo segue preso no sistema carcerário do Rio de Janeiro, teve complicações médicas após o atropelamento, ficou internado em um hospital público e depois da prisão decretada foi levado para o Complexo de Bangu, na Zona Oeste da capital fluminense. Krupp está internado em uma Unidade de Pronto Atendimento que faz parte do conjunto de penitenciárias.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga





Jovem Pan