Hospital municipal da Bela Vista funciona de maneira irregular em São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Prefeitura diz que está em processo de regularização da unidade, que será transformada hospital geral; pedido de alvará para funcionamento do local foi protocolado na vigilância sanitária no dia 22 de junho

Divulgação/Hospital da Bela VistaHospital da Bela Vista
Hospital da Bela Vista

Um hospital público funciona de maneira irregular na capital paulista. A equipe de reportagem da Jovem Pan News foi ao local, na região central da cidade. O hospital municipal da Bela Vista: Santa Dulce dos Pobres não possui alvará da vigilância sanitária estadual. A unidade atende apenas internações em casos específicos, incluindo pessoas internadas de forma compulsória para sair da Cracolândia. A descoberta que o hospital está operando de forma ilegal foi feita por causa de uma investigação do Ministério Público justamente sobre as internações compulsórias para dependentes químicos em São Paulo. Uma funcionária explica que se algum paciente chega ao local passando mal e precisando de atendimento médico, ele é socorrido, mas é logo transferido, que a unidade de saúde só recebe regularmente casos de internações encaminhados por outros hospitais. “Dependendo de como a pessoa estiver, se tiver ambulância disponível, não é internado aqui”, explica.

O hospital da Bela Vista era particular e foi comprado pela prefeitura de São Paulo, no entanto o paciente só é antedido se já tiver passado por uma AMA ou UBS que tenha indicado internação. Mesmo assim, corre o risco de não conseguir vaga no local. Em nota, a prefeitura diz que está em processo de regularização da unidade, que será transformada hospital geral. O pedido de alvará para funcionamento do local foi protocolado na vigilância sanitária no dia 22 de junho de 2022. O comunicado acrescenta que, desde 25 de abril, estão disponíveis 10 leitos de enfermaria de psiquiatria na unidade, voltados para o atendimento e acolhimento da população, prioritariamente aos mais vulneráveis que vivem no centro da cidade.

*Com informações do repórter Daniel Lian

É PÁGINA AMP





Jovem Pan