George Santos 'não é confiável' e usou candidatura à Câmara dos EUA para lucrar, conclui comitê




Deputado de origem brasileira é suspeito de fraude, roubo de cartão de crédito e mentir à Comissão Federal de Eleição do país. Ele nega as acusações e, após divulgação de relatório, disse que não vai concorrer à reeleição em 2024. George Santos, deputado dos EUA de origem brasileira, em 27 de outubro de 2023
Eduardo Munoz/Reuters
O deputado dos EUA George Santos, filho de brasileiros, “não é confiável” e usou a candidatura à Câmara dos EUA para lucrar, concluiu um relatório do Comitê de Ética da Câmara dos EUA, divulgado nesta quinta-feira (16).
O relatório, já entregue à Justiça dos EUA, ainda acusa “evidências contundentes” de violação da lei federal por Santos, com fraude, roubo de cartão de crédito e mentira à FEC (Comissão Federal de Eleição, traduzido do inglês).
Ele nega as acusações, mas, após a divulgação do relatório, anunciou que não concorrerá à eleição no cargo.
Problemas na Justiça
George Santos inventou diversas histórias durante a sua campanha eleitoral, em 2020. No fim do mês passado, ele foi formalmente acusado na Justiça de 23 crimes, chegou a ser preso e teve que pagar fiança para responder em liberdade aos processos.
Entre essas acusações, estão as seguintes:
Lavagem de dinheiro para usar verba da campanha em gastos pessoais, incluindo até compras no OnlyFans, site de conteúdo adulto;
Ter recebido ilegalmente dinheiro de seguro-desemprego;
Ter cobrado dinheiro do cartão de crédito de doadores de campanha sem o consentimento deles.
Santos, representante do estado de Nova York, também é acusado de relatar falsamente à Comissão Eleitoral Federal dos EUA que havia investido US$ 500 mil à sua campanha, quando na verdade não havia dado nada e tinha menos de US$ 8 mil no banco.
O empréstimo falso foi uma tentativa de convencer os responsáveis ​​do Partido Republicano de que ele era um candidato sério, que merecia o seu apoio financeiro, diz a acusação.
O que acontece agora
Santos sobreviveu a uma votação no início deste mês para expulsá-lo da Câmara, mas a maioria dos deputados optaram por suspender a punição, enquanto aguardavam o fim da investigação do Comitê de Ética e julgamento criminal na Justiça.
O novo relatório do Comitê de Ética da Câmara, divulgado nesta quinta-feira (16), deve levar os outros deputados a votarem de novo e, agora, aprovarem a expulsão de George Santos.
Justiça americana acusa formalmente deputado George Santos de ter cometido quatro crimes



G1 Mundo