Após operação sobre vacina, Bolsonaro diz que seu governo atacou “a questão do vírus”


O ex-presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado (06) que atacou a  “questão do vírus”, se referindo à pandemia do coronavírus e aos resultados para a economia.

“Conseguimos terminar 2022 com números da economia invejáveis. Entregamos então uma economia bastante ajustada. Até mesmo o Banco Mundial reconheceu. Atacamos a questão do vírus e o possível desemprego que se avizinhava”, disse.

Nesta semana, a Polícia Federal realizou busca e apreensão na casa do ex-presidente, em Brasília, após uma investigação apontar que houve um registro de vacinação de Bolsonaro na cidade de Duque de Caxias (RJ). Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente, está preso por suspeita de participação na inserção de dados falsos que teria o objetivo de conseguir um certificado de vacinação.

A afirmação de Bolsonaro foi feita durante a posse da deputada federal Rosana Valle como presidente do diretório de São Paulo do PL Mulher. A ex-primeira-dama e presidente nacional do PL Mulher, Michelle Bolsonaro, e o presidente nacional do PL, Valdemar da Costa Neto também estavam no evento.

Bolsonaro também falou sobre ser uma alternativa para o país. “Só a morte bota um ponto final nas nossas vidas. Enquanto ela não chegar, estaremos sempre à disposição para sermos uma alternativa para nosso Brasil”, declarou.

Outros presentes no evento foram o deputado federal Ricardo Salles e o prefeito de São Paulo Ricardo Nunes, que disputam o apoio do ex-presidente na corrida ao comando da capital paulista.

Em discurso, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro celebrou a sua primeira viagem como presidente nacional do PL Mulher e destacou que o objetivo é acabar com a cota partidária de 30% de mulheres. “Na esfera política, queremos estar junto com os homens em igual número, mas com nosso toque especial defendendo nossos valores conservadores como Deus, pátria, família, liberdade, liberdade religiosa, de expressão, defendendo a vida desde a concepção e lutando por um país mais inclusivo e com acessibilidade, para que tenhamos um mundo melhor para todos”, destacou.



CNN Brasil