Trump será indiciado na Geórgia por tentativa de fraude eleitoral


A foto de fichamento de Donald Trump
Reprodução/Twitter

A foto de fichamento de Donald Trump

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, será indiciado na manhã desta quarta-feira (06), pelas acusações de tentativa de fraude eleitoral na eleição presidencial de 2020 no Estado da Geórgia. Além do ex-mandatário, outros 18 co-réus devem ser indiciados pelo mesmo crime.

A sessão será realizada às 10h30 (no horário de Brasília), mas ainda não há informações se acontecerá de forma presencial ou virtual, segundo informa a NBC News. O ex-presidente deverá ouvir as acusações contra ele formalmente.

Trump havia se entregado no dia 24 de agosto às autoridades do condado de Fulton, na Geórgia. Na ocasião, ele foi fichado no caso, publicando logo depois a foto do momento. O ex-presidente foi liberado sob o pagamento de uma fiança no valor de US$ 200 mil. Ele ainda deve cumprir algumas condições de liberdade, bem como não intimidar as testemunhas do caso. 

O ex-presidente foi acusado no dia 14 de agosto de tentar alterar os resultados da eleição presidencial de 2020 na Geórgia. No ano, o colegiado teve a viatória do democrata Joe Biden, atual presidente dos Estados Unidos.

Um documento de 98 páginas foi entregue com acusações ao ex-presidente. Nele, são detalhados 41 supostas infrações para alterar os resultados, sendo 13 delas atribuídas a Trump. Dentre os crimes investigados, está o de falsificação e extorsão.

O procurador distrital do condado de Fulton, Fani Willis, disse: “A acusação alega que, em vez de cumprir o processo legal da Geórgia para impugnações eleitorais, os réus se envolveram em uma empresa criminosa de extorsão para anular o resultado da eleição presidencial da Geórgia”.

Ainda que as acusações formais tenham sido entregue no último mês, as investigações começaram em fevereiro de 2021, após o vazamento de uma ligação de Trump com o secretário da Geórgia, Brad Raffensperger — responsável pelo processo eleitoral no Estado.

Trump pede na ligação que o governador arranje 12 mil votos para que ele conseguisse os delegados do Estado, e, assim, vencesse as eleições. A acusação afirma: “Trump e os outros réus se recusaram a aceitar que Trump perdeu e, consciente e intencionalmente, se juntaram a uma conspiração para mudar ilegalmente o resultado da eleição em favor de Trump”.



IG Último Segundo