Número de mortos na Faixa de Gaza chega a 10,3 mil em um mês


Como resposta, Israel passou a promover ofensivas bélicas contra a Faixa de Gaza.
Reprodução: Flipar

Como resposta, Israel passou a promover ofensivas bélicas contra a Faixa de Gaza.

O Ministério da Saúde de Gaza divulgou um novo
boletim nesta terça-feira (7), em que informa ter subido para 10.328 o número de mortos em ataques israelenses na Faixa de Gaza, incluindo 4.237 crianças e 2.2719 mulheres. Mais de 25.965 pessoas ficaram feridas nos ataques desde 7 de outubro
.

O conflito completa a marca de um mês nesta terça, com total de mais de 11.500 mortes, já que do lado israelita são 1.405. 

Além de anunciar os últimos números de vítimas, o Dr. Ashraf Al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde palestino em Gaza, também disse que os “corredores seguros” abertos por Israel para passagem de palestinos, são, na verdade, “corredores da morte”.

“Israel transformou-os em armadilhas para os deslocados”, declarou.

“Apelamos à ONU e à Cruz Vermelha para que protejam as instituições de saúde, garantam o movimento de ambulâncias e parem a ameaça aos hospitais.
Estamos à espera de uma intervenção internacional para dissuadir Israel de bombardear o Hospital Al-Rantisi, depois de Israel ter emitido uma ordem de evacuação antes de um possível ataque”, adicionou. 

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, negou a possibilidade de um cessar-fogo na Faixa de Gaza, a menos que os reféns sejam libertados. Ele e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversaram nesta segunda-feira (6).

“Não haverá cessar-fogo em Gaza sem a libertação dos nossos reféns”, respondeu Netanyahu à ABC News. “No que diz respeito a pequenas pausas táticas, uma hora aqui, uma hora ali. Já as tivemos antes, suponho, verificaremos as circunstâncias para permitir a entrada de mercadorias, bens humanitários, ou nossos reféns, reféns individuais, para sair. Mas não creio que haverá um cessar-fogo geral”, completou.



IG Último Segundo