Noite em Paris e as bombas em Gaza e Israel


O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Do outro lado, bombardeios atingem a Faixa de Gaza
Reprodução/Montagem/CNN Brasil (10.10.2023)

O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Do outro lado, bombardeios atingem a Faixa de Gaza

A noite em  Paris
me faz bem e me acolhe. O sonar das ambulâncias ao fundo já me inquietou e certa perplexidade me dominava. Um quase medo, pânico de algo que não sabia definir. Nada que hoje não me tranquilize. Paris à noite é, hoje, uma cidade minha. Embaixo da minha varanda, sempre tem um cantor entoando La Vie En Rose
em frente ao Flore. E alguém no sax tocando uma música francesa. Para mim, é como se fosse um grande concerto na Salle Pleyel
ou na Opera Garnier
. É uma Paris que pulsa. Encanta. Minha. Que vive e faz viver.

Ao correr pelas manhãs, no Jardindes Tuileries
, transporto-me para um mundo que também encanta e que parece irreal. As dezenas de crianças com seus professores, fazendo exercícios ao ar livre, rindo, gargalhando, alegres e livres da realidade, fazem-nos, momentaneamente, esquecer da tragédia que se abateu sobre Palestina e Israel
. Até os corvos, que sempre ressoam sobre as árvores desse jardim, parecem entender a dramaticidade do momento.

Paris é uma vila complexa. As gigantescas, e quase desumanas, filas para entrar no Louvre
ou no d’Orsaynos
fazem acreditar que o mundo tem chance. Se tem tanta gente que aposta na arte, é porque a vida continua tendo salvação nesta terra inóspita. Mas, ao continuar a corrida, chegando em casa, na Place Saint Germain
, a fila enorme em frente à Louis Vuitton
me faz, outra vez, duvidar da humanidade.

Questões complexas e eternas, como essa da Palestina e Israel, servem como um teste para nossas relações pessoais. Uma palavra mal posta acende o rastilho de pólvora prestes a explodir. A omissão é sempre uma cumplicidade. O cuidado ao se posicionar não é covardia, é o respeito que se deve ter ao andar em um campo minado. Tenho posição e tenho amigos dos dois lados. Talvez, as sirenes à noite em Paris voltem a me atormentar e eu não terei mais o sono leve que me embalava.

Mas como dormir com o barulho rude e gutural da guerra, das bombas, dos mísseis? Não só dos mísseis de hoje, mas dos que arrasaram por tanto tempo a Faixa de Gaza
, uma prisão medieval a céu aberto. Chaga do mundo. Vergonha da humanidade.

A nossa hipocrisia fez com que não ouvíssemos o ronco da fome das crianças, esse ruído já não nos tira o sono. Fome que seria aplacada com os bilhões de dólares dos  EUA
para apoiar a guerra estupida e inválida. Uma guerra que serve aos senhores de sempre. E aos donos do mercado das armas. Que elege e que derruba os presidentes americanos. Uma guerra que não serve à humanidade e que nos deixa acachapados diante da estupidez humana, que tem nome e sobrenome. E que serve sempre aos mesmos senhores.

Como nos lembra Hilda Hilst, “O que é obsceno? Obsceno? Ninguém sabe até hoje o que é obsceno. Obsceno para mim é a miséria, a fome, a crueldade, a nossa época é obscena”
.

 Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay



IG Último Segundo