governo de SP encerra ação que deixou 28 mortos


Ação foi alvo de críticas em razão do alto índice de letalidade policial
Reprodução/Polícia Militar do Estado de São Paulo

Ação foi alvo de críticas em razão do alto índice de letalidade policial

O governo do estado de São Paulo
anunciou na noite dessa terça-feira (5) o encerramento da Operação Escudo
da Polícia Militar (PM), que estava sendo realizada na Baixada Santista desde o final de julho, e que foi  alvo de críticas em razão do alto índice de letalidade policial:
a ação deixou 28 civis mortos.

“Esperamos que novas operações não sejam necessárias, mas caso se façam necessárias, caso o Estado seja afrontado, em qualquer ponto, operações como a Escudo serão desencadeadas”, disse o secretário de Segurança Pública (SSP), Guilherme Derrite. De acordo com a SSP, foram presas 958 pessoas nos 40 dias de operação.

A operação Escudo foi uma reação da PM à  morte, em 27 de julho, do soldado da Polícia Militar Patrick Bastos Reis, pertencente a Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), que foi baleado e morto no Guarujá.
Segundo a SSP, ele foi atingido quando fazia patrulhamento em uma comunidade. A pasta informou hoje que a polícia conseguiu identificar e prender todos os  envolvidos na morte do soldado Reis.

Críticas

No início de agosto, moradores de bairros onde ocorreram as mortes decorrentes da Operação Escudo, na cidade do Guarujá, no litoral paulista, relataram que policiais executaram aleatoriamente pessoas identificadas como egressas do sistema prisional ou com passagem pela polícia.

Os relatos foram colhidos por uma  comissão formada por deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp),
representantes da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, da Ouvidoria de Polícia do Estado de São Paulo, e do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo.

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) divulgou na última sexta-feira (1º), a versão preliminar de um relatório sobre a Operação Escudo.
O documento contém 11 relatos de violações
de direitos humanos praticadas pelos agentes policiais e menciona episódios que vão de execuções
a invasões ilegais de domicílio.



IG Último Segundo