Tesla interrompe parte da produção de carros elétricos em fábrica de Xangai | Tecnologia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A Tesla, montadora do bilionário Elon Musk, interrompeu a maior parte da produção em sua fábrica de Xangai, na China. Um memorando interno visto pela Reuters aponta que a paralisação foi devido aos problemas de segurança de peças para os veículos elétricos. Questionada, a fábrica não comentou sobre o caso .

Segundo dados divulgados pela Associação de Carros de Passageiros da China (CPCA) nesta terça-feira (10), as vendas da montadora caíram 98% em abril em relação ao mês anterior, ressaltando o impacto dos rígidos bloqueios para evitar a disseminação da Covid-19.

As autoridades de Xangai, por exemplo, reforçaram o bloqueio imposto há mais de um mês no centro comercial. A cidade está em sua sexta semana de lockdown, que testou a capacidade dos fabricantes de operar em meio a fortes restrições. A medida pode se estender ao longo do mês de maio.

Tesla perde US$ 126 bilhões após compra do Twitter

Tesla perde US$ 126 bilhões após compra do Twitter

A Tesla planejava fabricar menos de 200 veículos em sua fábrica nesta terça, ainda de acordo com o memorando.

O número é muito abaixo das cerca de 1.200 unidades por dia que havia aumentado logo após a reabertura em 19 de abril, após um fechamento de 22 dias. A empresa pretendia aumentar a produção para 2.600 carros por dia na próxima semana.

Os dados também apontam que a montadora não exportou nenhum Model 3 e Model Y, carros elétricos fabricados em abril.

Fontes inforaram à Reuters que a fábrica de Xangai suspendeu o trabalho já na segunda-feira (9) depois de enfrentar dificuldades na aquisição de suprimentos.

As vendas gerais de automóveis na China, o maior mercado automotivo do mundo, caíram quase 36% em abril em relação ao ano anterior, informou a CPCA.

No entanto, as vendas de veículos elétricos a bateria e híbridos plug-in — uma categoria que a China almeja para incentivos —aumentaram mais de 50%, impulsionadas por desempenhos particularmente bons de BYD e SAIC-GM-Wuling.



Fonte: G1