Terra indígena Yanomami, em Roraima, vai ganhar conexão em banda larga


Terra Indígena Yanomami, em Roraima, vai ganhar conexão em banda larga

Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil/Divulgação

A terra indígena Yanomami, em Roraima, vai passar a ter conexão em banda larga nos próximos dias. O ministério das Comunicações aprovou a instalação de 17 equipamentos para apoiar o atendimento de equipes de saúde que atendem à emergência pública que afetou a região

Antenas móveis já começaram a chegar nos pólos-base e servirão como uma alternativa emergencial para atender à comunicação local. Em anúncio em Boa Vista (RR), na quinta-feira (9), o ministro Juscelino Filho, disse que o plano é conectar as localidades de forma permanente até o final do ano. 

“Já temos outros vários equipamentos em Boa Vista que serão distribuídos aos demais pólos-base, levando conectividade, comunicação para essas áreas para que dê suporte a todas as equipes humanitárias da Força Nacional de Saúde”, destacou. 

Segundo ele, equipes da Força Nacional do SUS que estão no território Yanomami receberam treinamento para utilizar as antenas móveis. Há pelo menos nove profissionais capacitados para multiplicar informações sobre o uso dos aparelhos nos postos de atendimento. 

Os equipamentos funcionam como Terminais Transportáveis Telebras do Satélite. Quando ativos, se conectam à internet através do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas do Brasil. 

O dispositivo tem bateria que suporta até oito horas em caso de falta de energia. Também possui Wi-Fi embarcado, com conexão possível para smartphones e computadores. 

A tecnologia é um dos recursos disponíveis dentro do programa Wi-Fi Brasil, do governo federal. O objetivo é instalar pontos de conexão em locais específicos, como instituições públicas, escolas, unidades de saúde e comunidades indígenas, por exemplo. 

Outro braço inclui roteadores em praças públicas com acesso livre e gratuito ao público. Em 2021, o governo federal fechou um acordo com a SpaceX, do bilionário Elon Musk, para levar internet via satélites de baixa órbita a regiões remotas do país através do programa. 

Situação dos Yanomamis 

Em janeiro, uma visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) expôs imagens de indígenas Yanomamis à beira da morte após anos de fome e sem atendimento a doenças endêmicas, como pneumonia e malária

A situação já causou a morte de 570 crianças desde 2019. Desses, 505 não haviam completado o primeiro ano de vida. Só em 2022, 11.530 indígenas Yanomami confirmaram o contágio de malária. A região tem mais de 30,4 mil habitantes. 

A terra indígena Yanomami é a maior do país em extensão territorial e sofre há anos com a invasão de garimpeiros, em especial na pandemia.

Por causa do mercúrio usado no garimpo, a terra e água estão contaminadas, o que afeta a disponibilidade de alimentos às comunidades. Além disso, muitos indígenas são mortos ou violentados pelos criminosos, como forma de dominarem suas terras. 

O território em Boa Vista já começou a receber profissionais da Força Nacional do SUS para atender à população devastada. As Forças Armadas montaram um hospital de campanha enquanto o governo enviará insumos médicos e alimentos para as comunidades. 

Nesta reportagem do Giz Brasil, mostramos como ajudar a população indígena Yanomami em Roraima. 

Fonte: Gizmodo