Substância pode conter o avanço de Parkinson, segundo estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Um time de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) descobriram uma substância que é capaz de barrar o avanço da doença de Parkinson. Com o nome de AG-490, é constituída à base da molécula tirfostina e foi testada em camundongos, impedindo 60% da morte celular. De acordo com o estudo, a substância inibiu um dos canais de entrada de cálcio nas células do cérebro, que é uma das formas da morte de neurônios pela doença.

“Estamos sugerindo que é esse composto que pode um dia, depois de muita pesquisa, que inclusive estamos continuando, ser usado na medicina humana”, explicou o professor Luiz Roberto Britto, coordenador  do projeto junto com pesquisadores do Instituto de Química da USP e da Universidade de Toronto, no Canadá. 

publicidade

Os resultados foram publicados na revista Molecular Neurobiology. Vale lembrar que não há cura para o Parkinson, somente mecanismos de controle dos sintomas. 

Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é marcada pela morte precoce ou degeneração das células da região que responde pela produção de dopamina, um tipo de neurotransmissor. Essa ausência – ou diminuição da dopamina – prejudica o sistema motor e causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, alterações na fala e na escrita. Ademais, pode também provocar alterações gastrointestinais, respiratórias e psiquiátricas.

“A doença é progressiva, os neurônios continuam morrendo, esse é o grande problema. Morrem no começo 10%, depois 20%, mais um pouco, aliás o diagnóstico só é feito praticamente quando morrem mais de 60% naquela região específica do cérebro”, disse Britto.

Portanto, a identificação dessa substância tem o poder de estabilizar a doença até um certo nível: “Não seria ainda a cura, mas seria, pelo menos, impedir que ela avance ao longo dos anos e fique cada vez mais complicado. O indivíduo acaba morrendo depois por complicações desses quadros.”

Leia também!

Nova Substância

Britto descreveu que a AG-490 é uma substância sintética que foi desbravada pela bioquímica. O estudo começou a investigar o canal de entrada de cálcio que se chama TRPM2 e pode-se concluir que quando o canal é bloqueado, a degeneração de neurônios diminuiu bastante. “A ideia é que, talvez, se bloquearmos esses canais com a substância, ou outras que apareçam, poderemos conseguir, pelo menos, evitar a progressão da doença depois que ela se instala”, acrescentou. 

Agora, um dos próximos passos é saber como a substância se comporta com uma aplicação posterior à toxina que induz à doença. Britto contou que no modelo utilizado, a toxina e o composto foram aplicados quase de forma simultânea. Eles também procuram saber se o composto administrado dias depois da toxina levará à proteção dos neurônios. 

“Outra coisa que a gente precisa fazer, e já conseguiu os animais para isso, é usar um modelo de camundongo geneticamente modificado, que não tem esse canal TRTM2. Esperamos que os animais que não têm, geneticamente, esses canais para cálcio, sejam teoricamente mais resistentes a esse modelo de doença de Parkinson”, finalizou. 

Fonte: Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal! 





Source link