Por que o WhatsApp Web tem irritado usuários com sua nova versão | Tecnologia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A nova versão do WhatsApp Web permite que os usuários acessem mensagens mesmo quando não estão com o celular por perto. Mas a ferramenta nem sempre funciona da forma esperada, o que tem causado relatos furiosos na internet.

As reclamações fizeram o aplicativo se tornar um dos assuntos mais comentados do Twitter no início de abril. Os usuários dizem que a página está demorando demais para carregar e, mesmo após as mensagens aparecerem, o histórico do que foi enviado antes no celular nem sempre aparece.

O WhatsApp vem liberando a atualização de forma gradual desde julho do ano passado, quando ela começou a ser testada.

Na nova versão, é possível acessar as mensagens em até quatro dispositivos diferentes ao mesmo tempo. Como eles funcionam de forma independente, é possível abrir as conversas no computador mesmo se o celular ficar sem bateria, por exemplo.

Segundo o WhatsApp, um de seus desafios era “tirar o smartphone da equação” para oferecer um recurso que era pedido pelos usuários há anos. Mas a ideia era manter criptografia, que impede terceiros de acessarem as mensagens.

“Para conseguir isso, tivemos que repensar a arquitetura do WhatsApp e projetar novos sistemas para permitir uma experiência autônoma de vários dispositivos, preservando a privacidade e a criptografia de ponta a ponta”, disse a plataforma ao anunciar a atualização na versão web.

Isso significa garantir que as mensagens sejam protegidas pela criptografia independentemente do dispositivo que está sendo usado para se conectar ao mensageiro.

Para oferecer o acesso a partir de vários dispositivos, o mensageiro precisa sincronizar o histórico de conversas a cada acesso de uma conta na versão web. Esse processo pode ser lento e, por isso, está recebendo críticas dos usuários.

O WhatsApp afirmou ao g1 que está ciente das reclamações e que está trabalhando em melhorias para que a experiência volte ao normal em todos os dispositivos. “O feedback dos usuários mostrou que ainda há um caminho a ser percorrido”, disse a empresa.

WhatsApp — Foto: Reuters/Francis Mascarenhas

Como o WhatsApp Web funciona

Antes da atualização, o celular funcionava como um dispositivo primário e era a fonte para acessar as mensagens. O computador só “espelhava” o conteúdo.

Com o novo WhatsApp Web, é preciso sincronizar dados como histórico de mensagens e contatos para outros dispositivos acessarem as informações sem precisarem do smartphone.

“Quando um dispositivo complementar [computador] é vinculado, o dispositivo principal [celular] criptografa um pacote de mensagens de conversas recentes e as transfere para o dispositivo recém-vinculado”, explicou a plataforma.

O novo dispositivo recebe uma “chave” para baixar, descriptografar e armazenar as informações que estão no celular. Depois que o processo é completado, o computador apaga a “chave”, mas ainda consegue acessar o histórico de mensagens.

“Outros dados exigem mais do que uma transferência inicial a partir do telefone”, explica o WhatsApp em seu site, sem detalhar quais são esses dados.

O mensageiro também afirma que faz uma sincronização sempre que algo na conta é alterado, como quando um novo contato é adicionado, uma conversa é silenciada ou uma mensagem é marcada como favorita.

Além da demora para carregar, o novo WhatsApp Web perdeu alguns recursos, como a lista de transmissão, a troca de mensagens com o próprio número e a sincronização do pacotes de figurinhas entre os dispositivos.

O WhatsApp diz que está trabalhando em melhorias na versão web, como suporte à visualização de links, localização em tempo real em dispositivos vinculados e a sincronização de chats excluídos.

Como evitar golpes no WhatsApp

Golpes no Whatsapp: saiba como se proteger

Golpes no Whatsapp: saiba como se proteger

Como usar o assistente do TSE no WhatsApp

Como usar o WhatsApp para tirar dúvidas sobre eleições e fake news

Como usar o WhatsApp para tirar dúvidas sobre eleições e fake news



Fonte: G1