Pesquisadores do MIT criam robô que “cresce” e pode construir edifícios


Um grupo de pesquisadores do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), nos Estados Unidos, está desenvolvendo um novo sistema de robôs autorreplicantes que podem construir estruturas maiores do que eles. Na prática, eles podem “crescer” em tamanho para construir qualquer coisa, desde veículos a edifícios – ou mesmo robôs gigantes.

O projeto envolveu criar um sistema formado por uma série de pequenos robôs que podem se unir um ao outro para se mover de forma independente e realizar montagens em grande escala rapidamente.

O estudo, publicado na Nature, aponta que esse tipo de sistema desafia a ideia de que, para construir grandes estruturas, são necessárias máquinas ainda maiores.

Os robôs foram desenvolvidos em um formato modular, em que cada um deles pode usar os seus pontos de fixação magnéticas para se ligar a outro robô. O sistema não possui fios, contando com um tipo de estrutura eletrônica que compartilha a energia e dados entre todas as peças – chamadas de “voxels”.

Conforme os robôs vão se encaixando um no outro, eles podem se mover como se fosse uma lagarta. Além disso, o conjunto conta com um sistema IA (inteligência artificial) para que ele decida por conta própria qual é o melhor momento para construir uma versão maior de si mesmo, como chegar a um determinado ponto no menor tempo possível ou evitar a colisão com outros objetos pelo caminho.

Os pesquisadores ressaltam que a aplicação desses robôs ainda está longe de se tornar uma realidade. Eles ainda precisam refinar o algoritmo, bem como fortalecer as conexões entre os módulos. Contudo, eles afirmam que a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa, dos EUA, está interessada no projeto com o objetivo de construir estruturas para a proteção costeira contra erosão e elevação do nível do mar.

“Embora tenha havido um interesse crescente em casas impressas em 3D, hoje elas exigem máquinas de impressão tão grandes ou maiores que a casa que está sendo construída. Mais uma vez, o potencial de tais estruturas serem montadas por enxames de pequenos robôs pode trazer benefícios”, diz o comunicado do MIT.

No vídeo abaixo, os pesquisadores explicam como foi o desenvolvimento dos robôs autorreplicantes:

 

Fonte: Gizmodo