ligar o “feedback tátil” afeta vida útil da bateria


Uma das principais novidades do iOS 16 foi a implementação do feedback tátil no teclado. Com o recurso, ao digitar, o usuário pode sentir uma leve vibração na ponta dos dedos. Na página de suporte da Apple, a empresa alerta que manter a funcionalidade ativa pode impactar na vida útil da bateria do smartphone.

O iPhone 14, lançado em 7 de setembro, mesmo com um pequeno upgrade em capacidade de bateria, tem descarregado mais rápido que outras versões, segundo alguns usuários. O principal causador disso pode ser a relação software x hardware, já que a versão inicial do iOS 16 foi lançada com alguns bugs.

A tendência é que com o tempo a Apple lance correções de software para diminuir o consumo de energia do sistema e aplicativos, mas até lá, vale a pena ficar de olho em quais recursos ou apps pode estar drenando mais a bateria.

Uma das principais críticas aos iPhones é justamente a bateria que, mesmo estando em aparelhos bem caros, têm capacidade inferior a outros smartphones do segmento “premium”. A empresa argumenta que seus chips possuem um gerenciamento de energia inteligente e, por isso, os aparelhos consomem bateria de forma mais eficiente, oferecendo bom desempenho com pouca energia.

De fato, os chips têm um papel importante quando o assunto é gerenciamento de bateria, mas alguns bons hábitos podem fazer a bateria durar um pouco mais — principalmente no caso dos iPhones. Usar o brilho em níveis moderados e verificar se há algum recursoativado quando o usuário mesmo não estando em uso, como bluetooth ou wi-fi, pode diminuir bastante o consumo de bateria.

O feedback tátil é um desses recursos que gastam mais energia quando estão ligados, embora a Apple não tenha especificado o tamanho do impacto que a funcionalidade tenha na bateria. A boa notícia é que desativá-lo no iOS 16 é bem simples. Para desativar basta ir em “Ajustes”, “Som e Tato”, procurar pela opção de feedback no teclado e desligar a chave de alternância que se refere à resposta háptica.

Assine a newsletter do Gizmodo

Fonte: Gizmodo